terça-feira, 29 de abril de 2014

Quando a morte nos dói



Não é meu hábito escrever sobre óbitos. Ao longo destes anos apenas o fiz em relação algumas pessoas que conheci de perto, ou eram meus amigos.
É o caso de hoje.
Maria Emília Reis era uma sindicalista que conheci bem e de quem me tornei amigo, desde o dia em que me ajudou a fazer uma extensa reportagem sobre Trabalho Infantil, que me valeu o prémio de jornalismo que mais fundo me calou. Foi um trabalho em que coloquei todo o meu empenhoe tive grande dificuldade para evitar transpor para o papel toda a emoção que senti durante algumas entrevistas que realizei.
Maria Emília Reis era dirigente sindical da CGTP, militante da acção católica, da LOC e da Base Fut. Najuventude pertenceu à JOC (Juventude Operária Católica). Pude testemunhar todo o seu empenho na actividade sindical e a forma cooperativa como se prontificou a fornecer-me elementos e contactos para o meu trabalho, de uma forma isenta, apenas preocupada na dignificação dos trabalhadores, na defesa dos seus direitos e na igualdade entre homens e mulheres.
Maria Emília Reis acreditava numa sociedade mais justa, onde os trabalhadores podiam atingir um progresso social, pela justa retribuição e dignificação do trabalho. Foi a essa luta que dedicou toda a sua vida.
Foi hoje a enterrar na Igreja de Santo António das Antas,mesmo ao pé da casa onde cresci e ainda hoje, apesar da minha vida de andarilho, considero a minha casa.
Obrigado por tudo, Maria Emília. RIP!

5 comentários:

  1. Amigo, que esta Mulher séria e digna repouse em paz e que , nalgum dia, o seu sonho de justiça e igualdade se concretize...Para ti, a minha solidariedade neste momento triste.

    ResponderEliminar
  2. Restam boas recordações... talvez um dia o sonho dessa Mulher o deixe de ser e passemos a ter uma sociedade mais justa!
    Momento triste partilhado!

    ResponderEliminar
  3. Já tinha lido a notícia no facebook de uma amiga!
    Vai sempre lembrá-la como uma mulher de valor e de valores!

    ResponderEliminar
  4. Fica a memória de alguém que o marcou tão profundamente, Carlos
    Os meus pêsames

    ResponderEliminar