quinta-feira, 3 de abril de 2014

O Fugitivo

O  maoísta que fugiu de Mao; que fugiu Lampedusa  quando lhe chamaram assassino; que fugiu dos jornalistas quando o confrontaram com a mentira sobre a “visão” das armas de destruição maciça no Iraque; que fugiu do país para agarrar um tacho em Bruxelas; que foge sempre que é apanhado em contradição, empreendeu uma nova fuga depois de ter sido apanhado em mais uma mentira

8 comentários:

  1. O fugitivo, o odiado
    Concentremo-nos no odioso

    Boa malha, meu caro!

    ResponderEliminar
  2. É tão aldrabão....M.A.A.

    ResponderEliminar
  3. Com tanta fuga, é justo o cognome de fugitivo. E por alguma razão foge. Boa não será, por certo.

    ResponderEliminar
  4. Quem foge do MRPP para acabar ao colo do PSD é capaz de grandes fugas, Carlos.
    Qual Papillon, qual quê!! :)))
    Aquele abraço e votos de bfds!!

    ResponderEliminar
  5. Já temo o seu regresso, embora ele tente algum tacho mais, lá por fora...

    ResponderEliminar
  6. Qual aldrabão!
    É um grande fdp.

    ResponderEliminar
  7. ~ Vitor Constâncio é um homem de paz, um "gentleman".
    ~ Os gaviões do poder instalado, tentaram devorá-lo ...
    ~ É assim, que um homem educado trata um aldrabão...
    ~ Um figurão presunçoso, cheio de empáfia. ~
    ~ ~ ~ Majo ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  8. Qual espanto o maior? O de uma UE que escolhe para presidente este perfil, ou este perfil que foge para a UE para se tornar no EU? Ao PSD que apregoa o moralismo e ao seu Paulo Rangel tão vertical, pergunto - qual deles é melhor - um Sócrates mentiroso ou um presidente da Comissão Europeia imoral vendilhão? ...Os moralistas enervam-me. Este tipo vendeu-nos a todos pela Base das Lages, correu para o pote como se não tivesse alma e foi no governo dele que se compraram os inuteis submarinos. O problema desta gente é a memória curta e falta de inteligência por acharem que uma mentira repetida muitas vezes se faz verdade. Este é um dos tais que se Portugal tivesse justiça que funcionasse, estaria sentado no banco dos réus. Poupem-nos a tanta demagogia e mentiragem.

    ResponderEliminar