sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Por outras palavras:o interesse nacional é o de Cavaco!

Mas isso era em Março de 2010. Agora, Cavaco acha que está tudo porreiro.


Como era expectável, as palavras de Cavaco sobre a manif dos polícias orientaram-se pela vacuidade discursiva habitual :"não vi, não sei, ainda não falei com o PM" . Depois apelou à serenidade ( traduzido para Cavaquês: tenho de concertar a posição com o Pedro, ele é porreiro e para me evitar mais problemas,até vai pagar as dívidas do presidente do Benfica ao BPN
A propósito da lei sobre a convergência das pensões Cavaco reafirmou que não cede a pressões e analisa todos os diplomas com muito rigor mas, no momento de decidir, se está nas tintas para a Constituição e só vê o superior interesse nacional.
O problema é que, para Cavaco, o interesse nacional confunde-se com os seus próprios interesses.
Em 2010 dizia que os portugueses já não aguentavam mais sacrifícios e incitava escolas, pais e professores a rebelarem-se contra o governo ( chamou-lhe sobressalto cívico, lembram-se?) porque só tinha em mente entregar o governo ao seu partido.
Três anos depois, protege os seus interesses aguentando o governo que lhe dá garantias de silenciar tudo em torno do BPN e dos seus ex-compinchas na governação. Em troca, permite  que este governo aplique todas as medidas de austeridade que bem entenda;  esquece o juramento de cumprir e fazer cumprir a Constituição; aprova o estatuto do ensino particular e cooperativo, com medidas ainda mais gravosas do que as que  condenou ao governo Sócrates, sem cuidar que se trata de um enorme cambalacho de Crato e vai custar o futuro a pelo menos, uma geração, mas encher os bolsos a algumas "famiglia".
Interesse nacional, o tanas! Interesses de Boliqueime, dos vizinhos da Quinta da Coelha e do bando do BPN.  São esses os únicos interesses que movem Cavaco

2 comentários:

  1. Estou enojada da conversa de treta do sr. que preside um país...

    ResponderEliminar
  2. Para abreviar, no fundo, no fundo, o que conta (foram e) são os interesses dele.

    ResponderEliminar