sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Caderneta de cromos (36)

Marco António Costa

Já há muito tempo que não enriquecia a caderneta de cromos. Tive de elevar os critérios de admissão, porque o nível brônquico dos membros deste governo e seus apaniguados é tão elevado, que corria  o risco de ser obrigado  a  aceitá-los todos.
Revistos os critérios, não podia recusar a entrada nesta galeria a Marco António Costa. O homem   que Passos Coelho  impediu de se candidatar a Gaia andava a perder-se como obscuro secretário de estado do ministro da Vespa, sendo visível a sua tristeza por não poder fazer aquilo que mais gosta: rivalizar em disparates com  figuras marcantes do PSD como Miguel Relvas ou  Teresa Leal Coelho.
Pedro Passos Coelho decidiu dar-lhe uma oportunidade na remodelação de Julho  e mandou-o para o partido. Logo que aí chegou começou a mostrar a sua jactância, capaz de empolgar os militantes do PSD com QI inferior a 50. 
Ontem, um obscuro e rechonchudo secretário de estado com problemas de identidade, permitiu ao novo homem forte do PSD, o seu dia de glória.  Quando, à noite, foi conversar com Mário Crespo,  Marco António deu o seu melhor para  mostrar que merecia estar aqui. Mal ele sabia que  já tinha conquistado um lugar na  caderneta de cromos, graças a esta brilhante prestação

1 comentário:

  1. De facto , cada sachadela , sua minhoca...é um cromo.
    E a Leal Coelho ?....Nem para ajudante da Filipa Vacondeus.
    M.A.A.

    ResponderEliminar