terça-feira, 13 de agosto de 2013

A dignidade não se compra no supermercado

Apesar de não viver nessa altura em Portugal, lembro-me bem da celeridade com que Murteira Nabo, ou António Vitorino, se demitiram quando foram levantadas suspeitas sobre a sua conduta. Assim que surgiram notícias de problemas com o fisco, apresentaram a sua demissão de imediato. Sem desculpas esfarrapadas, nem vitimizações, ou acusações à comunicação social.
Essa é só mais uma característica  que distingue governantes  passados, desta mixórdia coligatória entre um Coelho vaidoso e um Portas deslumbrado. Um ministro deste governo só sai  empurrado, porque confunde servir o país com servir-se do país. É gente que desconhece as palavras honra, honestidade, orgulho, vergonha e dignidade.
Eu sei que a dignidade não se compra no supermercado, nem aprende na Faculdade, mas que faz falta a esta gente, não tenho a mínima dúvida. 

6 comentários:

  1. fazem parte de uma geração que aprendeu que para viver é preciso ser desavergonhado ,M.A.A.

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente. Até se vangloriam do seu "chico-espertismo" UM

    ResponderEliminar
  3. Não se aprende na Faculdade e muito menos nas Lusíadas e quejandas... Uma cambada de iletrados de toda a espécie. Que náusea!

    ResponderEliminar
  4. Para não falar da imediata demissão de Jorge Coelho quando do acidente da ponte de Entre-os Rios...

    ResponderEliminar