quarta-feira, 15 de maio de 2013

O segundo cisma

Depois do cisma grisalho do Portas, Coelho criou um novo cisma: o que divide os funcionários públicos dos trabalhadores do privado.
Dizer que não se trata de medidas de austeridade, porque não se aplica à generalidade dos cidadãos, mas apenas a funcionários públicos, reformados e pensionistas ( no total cerca de 4 milhões de portugueses) é raciocínio próprio de um indigente intelectual, ou de um perverso.
No entanto, o PM quis deixar bem claro que quando Deus andou a espalhar inteligência pelo mundo, se esqueceu dele e, vai daí, acrescentou esta pérola da ignorância:
Para PPC  um casal com dois filhos e a sogra a cargo não sentirá quaisquer efeitos sociais se um dos cônjuges for funcionário público ou reformado da CGA? Mas que raio de país é este que tem um PM cujo padrão de raciocínio está aquém de um  merceeiro analfabeto? 
Já agora, também gostaria muito que PPC fundamentasse em que medida é que o despedimento de um funcionário público, ou o corte na reforma de um pensionista, têm efeitos positivos no médio e longo prazo!
Ouvir este homem é pior do que ser obrigado a tomar óleo de fígado de bacalhau em jejum! 

3 comentários:

  1. Safa! Isto é pior que a "banha da cobra"! "Cada cavadela cada minhoca" mas as minhocas têm utilidade!

    ResponderEliminar
  2. Estes canalhas só estão no Poder porque, além de terem mentido descaradamente, existem idiotas que votaram neles e irresponsáveis que nem sequer se dão ao trabalho de pensar no destino do país e , consequentemente, nem votam!!

    Só lamento que os roubos efectuados pelo grupo de miseráveis que nos governa - incluindo a múmia vinda de Boliqueime - não caia em exclusivo sobre as criaturas que referi atrás!!

    Pelos vistos, a função pública(activos e reformados) não são nem seres humanos nem portugueses e podem ser alvo de todos os ataques e atropelos...

    Fica bem, Carlos

    ResponderEliminar
  3. As últimas intervenções de membros do Governo, mesmo a nível de retórica, têm sido um perfeito desastre.

    ResponderEliminar