sexta-feira, 1 de março de 2013

Tic tac, tic tac...


Depois dos resultados das eleições em Itália voltei a ter uma visão que já me aparecera há tempos. 
Vislumbro, ao longe, os contornos da nova Europa. Retirada a maioria dos direitos sociais aos trabalhadores, engordadas as contas bancárias do capital à custa de horários de trabalho de 65 horas semanais, alcançada a autonomia de alguns territórios como o Kosovo ( outros se seguirão a curto prazo)aos governantes europeus que emergiram da geração dourada de 60, resta-lhes aguardar que se cumpra o seu último desígnio: uma democracia com novo rosto. Traduzida para a nomenclatura moderna destes governantes sem passado e sem futuro ,democracia significa: hás-de votar como eu quero, nem que tenhamos que fazer eleições e referendos as vezes que for preciso.
Já acontecera na Irlanda, é provável que aconteça agora em Itália. Quem vota contra o sistema vigente não é bom cidadão europeu.
O modelo inspira-se em Mugabe. Depois de convocar novas eleições, recusando assumir a derrota, teve esta frase lapidar: só comigo morto é que a oposição governará.
Estaremos preparados para a grande chacina dos actuais líderes europeus? Não me parece... mas que não vem aí nada de bom, é óbvio.

Sem comentários:

Enviar um comentário