domingo, 16 de dezembro de 2012

Da transparência das privatizações

Enquanto a dupla Pedro/Miguel, expert na arte do chicoespertismo empresarial insiste em proclamar a transparência das privatizações assistimos ao episódio da oferta da TAP a um colombiano/brasileiro/polaco de nome tão impronunciável quanto a palavra seriedade na boca desta dupla de vendilhões da Pátria.
Noutra vertente, uma empresa angolana proprietária do semanário Sol, mas de cujos accionistas pouco ou nada se sabe, anuncia estar interessada no belíssimo negócio da compra de 49% da RTP, ficando com todo o poder decisório sobre a empresa e continuando a ser subsidiada pelos portugueses.
Em qualquer país do mundo ocidental ( pelo menos...) este negócio que os portugueses vão pagar levantaria sérias suspeitas. Cavaco- ao que tudo indica- assinará mais uma vez de cruz.
Faz todo o sentido perguntar ( pela enésima vez) o que faz o PR em Belém. Até quando continuará   a assistir impávido à delapidação do nosso património, por uma dupla ( acolitada por António Borges, que faz de escrivão) que faz parecer os piores gangs de bandidos da História Mundial gente honesta?

3 comentários:

  1. Leia lá no Devaneios o que aconteceu ao PR, Carlos :)))
    Aquele abraço e votos de boa semana!

    ResponderEliminar
  2. Não há transparência nas privatizações.

    ResponderEliminar