quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Diatribes do fantasminha Gaspar


No discurso de encerramento da "cerimónia" de aprovação do OE 2013, o primeiro ministro Vítor Gaspar lançou umas farpas ao PS, aludindo a divisões internas e deixando o aviso de que o pedido de fiscalização ao TC poderia desencadear uma crise política.
Ouvi alguns comentadores darem a sua concordância à intervenção de Gaspar e elogiarem a forma como explorou as divisões no seio do PS.
Parece-me uma análise errada por duas razões:
1- Se o  governo lança o papão da crise política, no caso de o OE ser enviado para o TC, é porque tem consciência de que viola a Constituição, pelo que está a tentar condicionar o direito dos partidos da oposição recorrerem ao OE para  que seja reposta a legalidade.
2- O aviso de Gaspar  foi uma indirecta para Belém, a quem o governo incluiu no pacote das ameaças.
O mais natural é que Cavaco ceda às pressões mas, se o PS se deixar amedrontar e se demitir do seu dever, o eleitorado julgá-lo-á.
O governo já não tem legitimidade para dizer que o PS é co-responsável pelo memorando, pois aquilo que o PS assinou foi substancialmente alterado.
Assim sendo,a diatribe de Gaspar é um não caso e como tal deve ser tratado?
Bem pelo contrário! É preciso dar a máxima atenção às suas palavras e ameaças porque encaixam, na perfeição, na estratégia concebida por Salazar para implantar uma ditadura em Portugal. Estratégia que, aliás, tem  como principal apoiante Pedro Passos de Coelho.
Enquanto Gaspar avisa "eu ou o caos", PPC  adapta a máxima salazarenta " Para Angola rapidamente e em força" convertendo-a em " os portugueses têm de empobrecer , custe o que custar".
A quem pensar que estou a ser exagerado e alarmista, lembro que ontem, no programa Economix da RTP, o insuspeito Rui Moreira ( possível candidato do CDS à câmara do Porto) alertou exactamente para o mesmo. Dizia ele que a rédea solta a Gaspar nos está a conduzir para caminhos que põem em risco o regime democrático e todos devíamos pensar nisso. 
Ora quando a direita avisa, o melhor é mesmo estarmos atentos...


5 comentários:

  1. É verdade: quando a direita avisa é porque percebe que nas suas fileiras há quem queira destruir a democracia. E com isso nem toda a direita concorda... felizmente!

    Quanto o papão, não tenho confiança nenhuma em Seguro, mas espero que o PS não se deixe levar nessa conversa de "ou eu ou o caos". TC com o OE e mainada! ;)

    ResponderEliminar
  2. Não vi o programa mas se até o Rui Moreira já toma uma tal posição, pelo menos dá que pensar.E é claro que temos que estar atentos.E de prevenção, que o prevenido vale por dois. Lá diz o povo.

    ResponderEliminar
  3. a mim dá-me grande alegria ver que há também quem ache o RM peça da direita. É que o emplastro andou uns tempos a querer fazer-se passar por socialista.
    Já quanto à candidatura à câmara do Porto pelo CDS, é apenas o "bloco" dos instalados a soldo do Rio, a "artimanhar"...

    ResponderEliminar
  4. Tudo é possível...
    se a chamada comunidade internacional é conivente (e agente) da nossa perda de soberania certamente não intervirá em qq golpe de estado. Desde que os insurrectos paguem a dívida... Bruxelas faria um discurso de circunstância...
    Mas...
    alto aí...
    o tal golpe de estado já não aconteceu?

    ResponderEliminar
  5. Foi sobre essa fiscalização que escrevi ontem no blogue Olhar Direito.
    Parece que é um tema controverso.
    Para mim, não tem nada de controverso, mas enfim.....

    ResponderEliminar