quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A ténue fornteira que separa um herói de um cobarde




Foi visível o desconforto de alguns deputados dos  partidos da coligação, face ao OE 2013. Espernearam, prometeram que só votariam este OE se passassem por cima do seu cadáver ( Adolfo Mesquita Nunes, por exemplo…)  mas acabaram por votá-lo favoravelmente. 
No CDS, quatro deputados reclamaram o estatuto de heróis, fazendo uma declaração de voto em que, sucintamente, afirmavam que  votavam a favor apenas para defender o coiro e o tacho.  Exceptuando o deputado do CDS Madeira que mostrou ao patrão Portas como devia agir se realmente quisesse defender os interesses de Portugal e dos portugueses, as declarações de voto dos deputados do CDS são de ir às lágrimas.
João Almeida, o caramelo Vaquinha de estimação do CR, fez esta brilhante afirmação:
"Se há coisa que o passado recente nos mostra claramente, é que a uma má solução, ainda que rejeitada, sucede uma pior. (...)"

Ou seja, acabou por reconhecer que o governo Sócrates era melhor do que este. Claro que isso não é novidade para ninguém, mas ser um deputado do CDS/PP a admiti-lo, fia mais fino!
Quanto a Adolfo Mesquita Nunes de quem criei uma opinião bastante favorável depois de fazer uns debates com ele na rádio Comercial, desiludiu-me em absoluto. Considero-o uma pessoa inteligente, mas quando leio na sua declaração de voto que as suas críticas incidem sobre o espectro socialista que enforma o actual OE,  percebo que muito provavelmente ainda não aprendi a distinguir um fascista de um tipo bem falante.
Quanto a Ribeiro e Castro, passo. Não me pronuncio sobre inimputáveis.
Passemos então aos “arrependidos” do PSD  
A dúzia e meia  de deputados  laranja ( podia ser um quarteirão, porque ia dar ao mesmo) que anunciaram pela voz de Miguel Frasquilho ir apresentar uma declaração de voto, meteram a viola no saco, assim que Miguel Relvas os ameaçou com o pau de marmeleiro. Depois do alarido, acabaram a beijar o rabo do grande chefe.
Todos estes deputados quiseram apresentar-se como heróis e, eventualmente, salvar a face dos seus partidos. Infelizmente, desconhecem que a fronteira entre um herói e um cobarde é delimitada por um traço muito fino.  Receosos de perder os tachos e mordomias,  ultrapassaram-no. Cobriram-se de ridículo e ficarão para a História como traidores iguais aos que se mantiveram em silêncio e se limitaram a abanar o rabo às ordens dos chefes de claque, como cãezinhos amestrados  à espera de entrarem em cena no palco circense da AR. Uns chihuahua ou caniches da espécie humana.







6 comentários:

  1. O que sucederá ao que furou a disciplina de voto?
    Presumo que nada. Ou o CDS não usa o sabonete democracia?

    ResponderEliminar
  2. Gente sem coluna é o que é. Infelizmente, na AR, gente dessa é a regra e não a excepção.

    ResponderEliminar
  3. Fascistas bem falantes são do piorio: enganam qualquer um!

    Quanto ao Relvas a pôr os "heróis" de vão de escada na ordem, confesso, só me deu vontade de rir. Votaram, está votado! Declarações de voto para parecerem mais atentos que os governantes?!? Que se abstenham de mais figuras tristes, que cobardolas e amantes dos seus tachos, ao ponto de esquecerem o que estão a fazer na AR (representar o povo), já todos percebemos! Que cambada!

    ResponderEliminar
  4. Repito e reforço - Tribunal Constitucional, diz alguma coisa a alguém??

    ResponderEliminar