sexta-feira, 12 de outubro de 2012

(Ig)Nobel

Nos últimos anos a Academia Sueca tem-se esforçado por descredibilizar os Prémios Nobel. Em dois dias apenas, deu um importante passo para que a atribuição dos prémios Nobel se tornem tão hilariantes como os seus parceiros (Ig) Nobel, criados em 1991 para premiar as descobertas da ciência que não devem ser repetidas.
Ontem, a atribuição do Nobel da Literatura a um escritor conotado com o regime chinês foi a demonstração de que a China,  ainda há uma década apontada como " ditadura miserável ", se tornou essencial para  vários países europeus (Alemanha incluída) que procuram, naquele gigantesco mercado, destino para os produtos que uma Europa em declínio e à beira da miséria, já não consegue absorver.
Hoje, a atribuição do Nobel da Paz à União Europeia provocou, primeiro, a gargalhada geral ( como costuma acontecer quando são anunciados os (Ig) Nobel) e depois a indignação.
A Academia Sueca premiou, pela primeira vez na sua História, um fantasma. A União Europeia foi, sem dúvida, uma bela ideia que trouxe a paz à Europa e uniu os povos, mas isso foi há muito tempo. O mito da Europa solidária terminou há pelo menos uma década e os seus actuais dirigentes  agem, neste momento, como se tivessem esquecido em absoluto esse ideal que norteou os fundadores da União Europeia. 
A crise  e a falta de solidariedade dos países do Norte da Europa, com os seus vizinhos do Sul, a quem impõem condições que inevitavelmente os conduzirão à miséria, estão a exacerbar nacionalismos e a criar as condições ideais para uma nova guerra que poderá ser precipitada com várias secessões em países como Espanha, França, Itália, Bélgica e mesmo Escócia. 
Poderão alguns puristas argumentar que a Academia Sueca pretendeu, com a atribuição do Nobel da Paz à União Europeia, reavivar nos actuais dirigentes o espírito e os fundamentos que levaram à sua constituição. Pura ingenuidade! Os actuais dirigentes já demonstraram que estão de costas voltadas e entraram na fase em que, vendo o projecto europeu a afundar-se, decidiram que o melhor é cada um tratar de si. Depois da queda do muro de Berlim, a Europa construiu um novo muro que separa os países do Norte e Centro, dos do Sul. Enquanto esse muro não for derrubado, a União Europeia é apenas um mito. Um fantasma que se alimenta da carne fresca da população trabalhadora.

9 comentários:

  1. A ACADEMIA não se pode agradar a gregos e troianos!!!


    ResponderEliminar
  2. Olha que a União Europeia como alureada pela Paz deu-me vontade de vomitar.
    Até parece...
    Estamos estregues aos bichos do mais irracional que existe.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Depois da queda do muro de Berlim, a Europa construiu um novo muro que separa os países do Norte e Centro, dos do Sul. Enquanto esse muro não for derrubado, a União Europeia é apenas um mito.


    Sublinho esta frase.

    saúde ! que mais lhe posso desejar ?

    ResponderEliminar
  4. Totalmente de acordo, Carlos. Tenho de descobrir os critérios da Academia na atribuição dos prémios. Mas depois do Saramago ser laureado, tudo é possível. Espero que ninguém me bata :)

    ResponderEliminar
  5. Causas e efeitos:

    - Nobel da Literatura: visou 'restabelecer' o ambiente entre a Academia e a China;
    - Nobel da Paz: uma atitude política que não traz qualquer efeito positivo. Antes, questiona a credibilidade dos vários líderes da 'União'. E esqueceu-se (de certeza?) que há mais Europa para além da União.

    Resumo: completa desacreditação dos Nobel.

    O título dado pelo Carlos (Ig)Nobel diz tudo.

    ResponderEliminar
  6. Concordo com o raciocínio que faz sobre a atribuição do prémio Nobel da Literatura,por cá, o escritor premiado é um desconhecido, mas pelo menos o prémio de um milhão de euros será aceite com humildade (parece-me!). Quanto à atribuição do Nobel à UE, também fiquei "arrelampada", não haverá melhores instituições? Grandes jogadas politicas!... Quanto ao valor deste prémio, quem se irá abotoar???... p'ra que servirá???... Realmente, não saberei dizer se este é um ano para esquecer, ou se ficará nos anais da história....pelas piores razões/decisões, claro!

    ResponderEliminar