quinta-feira, 27 de setembro de 2012

E o próximo passo é...

Para quê gastar dinheiro com medicamentos? As pessoas não são eternas, para quê prolongar-lhes a vida? Aliás, dar medicamentos a crianças é um desperdício! Se morrerem até aos 6 anos poupa-se dinheiro em educação e em saúde. Não podemos andar a gastar dinheiro em luxos com a saúde, mesmo que sejam crianças. É uma questão de ética!
Já avisei aqui muitas vezes a brincar, mas agora digo-o a sério. Está cada vez mais próximo o dia em que o governo aprovará a injecção atrás da orelha, para acabar com os velhos que ousem resistir.
Entretanto, o empecilho de Belém continua feliz, porque foi ultrapassada a crise política.

10 comentários:

  1. Este seu texto é arrepiante, Carlos!
    : )

    ResponderEliminar
  2. Como diz a Catarina, é arrepiante, sim... porque sabemos que está quase próximo da verdade...

    ResponderEliminar
  3. O Hitler terá começado desta forma! Só à bomba é que isto se resolve! E olhe que, se fosse preciso, era capaz de a pôr eu própria!

    ResponderEliminar
  4. Desculpe lá, qual é a diferença entre a injeção atrás da orelha e sonegar medicamentos a quem deles precisa? Essa linha entre o crime e a omissão de ajuda é muito ténue...

    ResponderEliminar
  5. Dado o busílis da questão, há perguntas que se devem fazer deixando de lado as emoções.
    Num sistema com dificuldades de sustentação, será legítimo gastar verbas exorbitantes em terapêuticas de ponta, em doentes terminais, com esperança de vida inferior a 30 dias, exaurindo assim recursos que fazem falta a outros com maior esperança de vida e maior possibilidade de sobrevivência?
    Deverão fazer-se todos os transplantes possíveis ou apenas os que apresentem possibilidades de sucesso?
    Será legítimo criar esperança onde a mesma não deve/pode ser criada e continuar a delapidar recursos que fazem falta noutro lado?
    Infelizmente, sei do que falo e da dureza das decisões que por vezes se têm de tomar, que, não pensem ser fáceis nem deixarem mazelas que marcam profundamente aqueles que são obrigados a tomá-las.
    Em casa onde não há pão, todos ralham...

    ResponderEliminar
  6. Ética é um valor.Não me parece que a economia seja um valor...

    ResponderEliminar
  7. Este seu texto diz muito, Carlos.
    Permita-me uma pergunta: não teremos, muitos de nós, posto a orelha a jeito?

    ResponderEliminar
  8. Olá Carlos... FELIZMENTE QUE PARA OS ETIQUETADOS "SIDA" (segundo os padrões comerciais) ISTO "SÃO OṔTIMAS NOTÍCIAS!

    Espero que pelo menos, e só por isto, a crise continue, ou melhor, se agrave!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Qualquer semelhança com hitler, há muito que deixou de ser coincidência.

    ResponderEliminar