quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Sem sombra de pecado



Começo a acreditar que o Espírito Santo ( não o banqueiro, mas aquele que concebeu Cristo no ventre de Maria) vive em Portugal. Ganho essa convicção, ao ler que em apenas dois anos, desapareceram 134 mil crianças no nosso país.
Na verdade, essas crianças foram concebidas apenas na imaginação dos contribuintes, com o propósito de enganar o Fisco. Assim que a malha do Estado apertou, exigindo a identificação das crianças com o número do contribuinte, as crianças desapareceram. Não sei se de morte matada, ou de susto. 
 Não é novidade que somos um país de aldrabões e trapaceiros, por isso, também não é de espantar que pessoas como Relvas tenham chegado ao poder. E o homem, afinal, até merece algum crédito. Para obter a licenciatura teve que criar uma rede de relações. Para os pais e mães dos filhos fantasma, bastou inventar um nome e escrevê-lo na declaração do IRS.

11 comentários:

  1. Iluminado pelo o Espírito Santo, o Carlos compreendeu finalmente, que o Relvas é um producto da sociedade portuguesa.

    O Cavaco, o Coelho, o Seguro são os políticos que o nosso povo merece.

    Hoje, estou má?
    É do calor!!!

    ResponderEliminar
  2. Nem espalhe uma notícia dessas por aqui, vai que a moda pega.

    ResponderEliminar
  3. Por incrível que pareça há notícias que ainda conseguem espantar-me.

    Somos muito mal formados, ou será impressão minha?

    Sem mais comentários!...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Esta notícia para mim é a mais completa surpresa! É preciso uma falta de tudo - dignidade, escrúpulos, etc. - para se inventar assim numa declaração de IRS... :P

    ResponderEliminar
  5. Que mais ainda falta ver?
    Meu amigo, para onde caminhamos?

    Desculpe a ausência, aos poucos vou pondo a escrita em dia ;)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Meu caro, penso que desta vez não acertou no alvo e caiu na ratoeira de mais uma mentira dos estarolas, mais do que da policia, tribunais, bicho papão e o mal-amen em pessoa a generalidade dos portugueses temem as finanças, por acaso já lhe ocorreu que este desaparecimento deriva do facto de até 2010, pelo menos, pais divorciados podiam colocar as despesas com os filhos na declaração de IRS e que agora apenas um dos progenitores o pode fazer, para mim é ai que reside o desaparecimento o que não invalida que existam alguns trafulhas, o que estes estarolas deviam anunciar eram os processos de infracção instaurados após os desaparecimentos, quando o anunciarem eu acredito até lá mantenho a minha tese.

    ResponderEliminar
  7. Nem era preciso inventar nomes bastava colocar o nº de dependentes ;)...1,2,etc. Soube de uma história de um gajo que colocava na declaração de IRS os 3 filhos da mulher eheheheeh (ela estava separada do marido e vivia com este). Será que a mulher e o ex-marido também metiam os mesmos 3 filhos? Hummmm não sei mas até era capaz de ser ehehehe por isso é que desapareceram tantos :). Cpts.

    ResponderEliminar
  8. Sem dúvida que a corrupção e desonestidade são, infelizmente transversais. E não podem exigir os desonestos em baixo honestidade aos desonestos em cima.

    ResponderEliminar
  9. Como?
    Eu li bem, Carlos?
    Eu declaro que tenho 10 filhos e está tudo bem??
    Nem posso acreditar!!

    ResponderEliminar
  10. Gostei da forma como abordou a questão. Um texto original para focar o que há de triste em Portugal.
    Bom dia!

    ResponderEliminar