quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Genro de Cavaco também quer RTP



Depois das três propostas apresentadas no gabinete de Miguel Relvas, de que vos dei informação circunstanciada na sexta-feira, a minha fonte informou-me que há minutos deu entrada no gabinete do Miguel Relvas uma nova proposta , enviada através do gabinete do PM.
O interessado é o genro de Cavaco, mas foi o próprio PR a escrever a carta a PPC, cujas passagens mais relevantes aqui transcrevo, em exclusivo, para os leitores do CR.

Caro senhor Primeiro Ministro
Ontem o meu genro informou-me que um senhor que ele não conseguiu identificar ( pela descrição que  me fez, julgo tratar-se do nosso amigo comum Doutor António Borges) comunicou ao país que o governo vai concessionar o serviço público da RTP 1.
Confesso-lhe que por estes dias tenho andado um pouco afastado da política e quando o rapaz me deu essa informação não quis acreditar, pois essa matéria deveria ter sido comunicada ao país pelo próprio governo e não por um seu emissário mas lá deixei a piscina, onde estava a ler uns diplomas que me foram enviados por V. Exª e fui confirmar.
Não interessa agora aquilatar da decisão do governo, nem da forma como optou por a comunicar ao país, pois isso será matéria para uma das nossas conversas semanais.
A razão por que lhe escrevo, senhor primeiro-ministro, é comunicar-lhe que o meu genro está muito interessado em concorrer a essa concessão mas, como sabe, o rapaz tem poucas posses e ainda tem o encargo de me sustentar a mim e à Maria, porque a miséria de reforma que recebo quase não chega para pagar a água da piscina aqui da Coelha.

Creio que ele será um forte candidato e, por isso, falei logo aqui com o Oliveira e Costa que me garantiu que dinheiro não seria problema e ele próprio, ou o Dias Loureiro, seriam avalistas desde que o rapaz dê como garantia o Pavilhão Atlântico. Ora aí é que começam os problemas…
Como V. Exª sabe, tão bem como eu, o meu genro deu o Pavilhão Atlântico como garantia ao BES, para obter o empréstimo que o banco lhe deu para adquirir o …Pavilhão Atlântico.
Ora eu sou pessoa de bem e estou muito grato ao Oliveira e Costa por causa dos dinheiritos que ele fez render lá no BPN e também por esta casita de férias que, sem a ajuda dele, não poderia ter comprado. Por isso, o que eu lhe venho solicitar é que dispense essas garantias ao rapaz. V. Exª bem vê, isso é uma minudência que se justifica seja pedida aos outros concorrentes, mas não ao meu genro, rapaz honesto e trabalhador.
De caminho, pedia-lhe que também alargasse esse conceito de serviço público de televisão, porque é um estorvo para as pretensões do rapaz. Em minha opinião seria suficiente que o conceito de serviço público se restringisse à necessidade de o governo manter os tarecos nas instalações da RTP, podendo por isso dizer que mantém um canal de serviço público. Esse é o entendimento, também, dos juristas da presidência, a quem pedi parecer antes de lhe dirigir esta carta.
Há ainda o problema do pessoal. Para que é que o rapaz precisa de dois mil trabalhadores?  Terá pois de despedir pelo menos uns 1500 e, como V. Exª sabe, com estas restrições impostas pelo Código de Trabalho despedir é uma complicação e fica extremamente caro. Não lhe vou pedir – obviamente-  para fazer uma alteração ao Código, pois sei quão penosos isso seria para si. A minha sugestão ( aliás não foi minha, mas sim da Maria) é bem mais simples e prosaica. Todos sabemos como este governo tem sido generoso na criação de excepções  aos salários dos administradores de algumas empresas, subsídios de férias e 13º mês de  membros do gabinete e por aí fora.  Por isso o que lhe pedimos é muito simples: contemple uma excepção para esta concessão, de forma a que as indemnizações aos trabalhadores a despedir não ultrapassem nunca os dez dias de salário. (Estamos a ser compreensivos, porque mesmo isso é já um balúrdio para as posses do rapaz…)
Tenho a certeza que não deixará de ter em atenção estas modestas solicitações, pelo que espero na próxima semana, quando nos reunirmos, ter já uma resposta favorável da parte do governo.
Peço desculpa mas vou ter de terminar, porque tenho o António Borges à espera ao telefone e o Rui Rio a bater-me à porta, porque se fez convidado para lanchar cá em casa. Sabe como é, senhor PM, eles andam ansiosos por poderem substituí-lo e não me largam a porta. Esteja, no entanto, descansado, pois só uma resposta negativa da sua parte poderia colocar em causa a nossa aliança estratégica.
Receba as saudações cordiais do,
Exmº senhor Presidente da República
Aníbal Cavaco Silva
(A Maria manda cumprimentos, a minha filha beijinhos e o meu genro não manda nada, porque está a tomar banho na piscina)
PS: Ainda vim a tempo de acrescentar esta adenda, porque o motorista só parte para Lisboa, para lhe entregar esta missiva em mão, logo à noite.
Em conversa com o Rio, soube que um blog publicou na sexta-feira as cartas de três outros concorrentes
Pode lê-las aqui, se delas o Relvas ainda não lhe deu conhecimento. 
Eu sei que é tudo gente de pouca confiança, mas com muito poder financeiro e, pelo menos um deles, julgo que terá excelentes relações com o Relvas ( a propósito, quando é que o afasta do governo, senhor PM?) seria por isso, da maior conveniência, dissuadi-los das pretensões de tomarem a RTP de assalto, porque esse não é o interesse do país.
Até para a semana! ( O Rui Rio está aqui ao meu lado e pede para lhe mandar cumprimentos)

6 comentários:

  1. De princípio caí que nem uma pata, julgava ser verdade! E depois... fartei-me de rir com a missiva! :)))

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente brilhante. E hilariante.Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Simplesmente brilhante. E hilariante.Abraço.

    ResponderEliminar
  4. O tal que deve dinheiro a toda a gente?
    Até a ele próprio, às tantas?
    É o candidato ideal!! :)))

    ResponderEliminar