terça-feira, 21 de agosto de 2012

Faz mesmo sentido...

Quando em 2008 começou a febre antitabágica, escrevi alguns posts sobre outras coisas que valia a pena proibir ( como falar ao telemóvel no metropolitano, por exemplo)
Agora, via Ana Paula Fitas,
soube desta ideia que subscrevo e aplaudo:

6 comentários:

  1. Também subscrevo! Esta história de terem a mania que nos hão-de tratar da saúde, quer queiramos ou não, impedindo-nos de fumar, beber ou comer certas comidas, a par de nos quererem obrigar a fazer exercício, é uma coisa que me irrita sobremaneira.

    Faz-me sempre lembrar daquela senhora de 100 anos, que estava num lar há muito tempo e não tinha família, e que o médico queria obrigar a fazer dieta, porque tinha o colesterol um bocadinho elevado. E ela disse-lhe logo que não, que a única coisa que lhe dava prazer na vida era comer... :)

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo e acrescento à lista o alerta, a ser colocado na primeira página dos jornais, a letras garrafais:

    "O consumo desta droga bloqueia o cérebro e produz lesões irreversíveis na capacidade de ajuizar"

    ResponderEliminar
  3. Já recebi esta mensagem por mail...
    Subscrevo!

    ResponderEliminar