sexta-feira, 27 de julho de 2012

Well done, Mr Boyle!



Não foi a mais emocionante e bela cerimónia de abertura de todos os tempos mas foi, sem dúvida, aquela que, fazendo o percurso da História do país organizador, melhor nos mostrou como fomos hábeis na destruição do planeta.
 Habituado que estou a ver cerimónias onde se evoca o passado, ou o futuro, esta lembrou-nos o presente.
Que tema melhor do que revolução industrial? Que melhor peça de Shakespeare do que a Tempestade, para trazer os mais distraídos à Terra e lembrar-lhes o mundo em que vivemos?
Nos bastidores, o CR soube que a organização convidou Miguel Relvas para a figura de James Bond, mas como ele em vez de apresentar a licença de uso e porte de arma, enviou as contas de telemóvel, acabou por ser substituído por Daniel Craig.
Na cena onde se evoca a criação do Health National Service britânico, a organização ainda pensou convidar Paulo Macedo para exemplificar como é possível destruir um Serviço Nacional de Saúde. Felizmente imperou o bom senso e Mary Poppins veio salvar os doentes das garras do nosso ministro da saúde que já tinha mandado afiar os dentes para melhor desempenhar o papel de vampiro.
Quem esteve presente foi Cavaco Silva - desempenhou o papel de Harry Potter- contracenando com Miss Piggy - Maria.
Muito bem conseguido, foi o desempenho de  Passos de Coelho. Inicialmente convidado para  figurante de "Alice no País das Maravilhas", acabou por emprestar a sua voz de barítono , fazendo-se passar por Paul Mc Cartney. O mundo inteiro acreditou que era o ex-Beatle, mas foi enganado!
Parece que depois houve um desfile com bandeirinhas, mas desses eu já estou farto. As televisões brindam-nos todos os dias com o desfile de uns imbecis de bandeira na lapela e para vómito isso já me basta.
Tenham um bom fds

Adenda:  a cerimónia de ignição da chama olímpica foi espectacular! Aconselho a quem não viu em directo, que não perca o diferido.

14 comentários:

  1. Caro Carlos, ao menos em dia de abertura dos Jogos Olímpicos, deixemos as nossas personalidades de parte... Até Sua Magestade se haveria de escandalizar se soubesse que o grande evento é ofuscado pelas desgraças daqui... =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim,não há nada que ofusque os JO. Estou é em estado de choque com o que vou sabendo deste país :-)))
      Bom fds

      Eliminar
  2. Well done, Mr. Carlos Barbosa de Oliveira!

    ResponderEliminar
  3. Outstanding, como sói dizer-se por terras de sua Majestade!

    ResponderEliminar
  4. Uma reportagem perfeita e carregada das nossas dores sociais e políticas. Nenhuma promessa foi cumprida.
    Ao invés afiam-se lanças que rasgam e destroem o pouco que se construiu ao longo dos séculos.
    Ainda não percebi o papel asqueroso desses bandeirinhas famintos que se vergam sem brilho nem brio pessoal aos vampiros que continuem a roubar-nos o pão de cada dia para o oferecer de graça aos estrangeiros...

    ResponderEliminar
  5. Também vi a cerimónia. Não achei fulgurante (como em Beijing) mas o momento de acender a tocha foi, realmente, espetacular.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No seu todo, também gostei mais da cerimónia de Pequim, mas eu sou suspeito

      Eliminar
  6. Menos espectacular que em Pequim, mas muito mais "perto de nós".
    Não houve ninguém aqui que não se tivesse lembrado do Paulo Macedo - o homem deve ter ficado à rasca...
    E a minha música esteve toda ali.

    ResponderEliminar