terça-feira, 1 de maio de 2012

Ingenuidades

Naquele longínquo 1º de maio de 1974, celebrando a Liberdade no meio daquela imensa mole humana, acreditei que os portugueses  iriam defender a democracia e nunca mais se deixariam enganar por oportunistas que, recorrendo à mentira sistemática, tomassem o poder de assalto com o único objectivo de destruir as conquistas de Abril.
Fui ingénuo, mas hoje espero estar de regresso a Lisboa, ainda a tempo de gritar na rua que este governo já não tem qualquer legitimidade para governar, porque enganou a maioria dos que nele votaram.

8 comentários:

  1. Quanto a ingenuidade, não foi o único, mas os 38 anos de más experiências, já deviam ter dado para o povo aprender a reconhecer, à distância, os mentirosos... agora eles apregoam que têm os votos da maioria para fazerem o que quiserem... Não faltaram avisos, sobre o que pretendiam estes "cavalheiros" e, mesmo assim, votaram neles e há muitos que continuam a acreditar, piamente que são os salvadores da Pátria e não os seus cangalheiros...
    A Democracia tem este grande problema, temos que levar pauladas porque a maioria assim decidiu... penso que nunca me senti tão pessimista em relação ao futuro.

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo mas deveria ser essa maioria também a protestar porque foi enganada!
    Eu já contava com isto mas ainda não bati no fundo da desesperança!

    ResponderEliminar
  3. Subscrevo, e assino por baixo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Não desanime, Carlos!

    Pelo menos o seu encontro em Berlim com a minha querida Angie foi um sucesso. Eu não sei, quais foram as ameaças do Carlos, só sei, que depois do vosso encontro, a Angela Merkel muda discurso e anuncia agenda europeia de crescimento.

    Não grite demais, Carlos, que pode ficar rouco.

    ResponderEliminar
  5. Assino por baixo, mas acho que a responsabilidade maior é de quem se abstém e de quem continua a votar em quem sabe que é totalmente indiferente ao sofrimento das pessoas. Passos sempre disse que iria além do que o triunvirato exigia.

    Um abrço frtaerno neste Dia, que em 1974 me proporcionou as horas mais felizes da minha vida enquanto portuguesa

    ResponderEliminar
  6. Era preciso que muitos dos enganados por este governo, percebessem e o admitissem! A maioria ainda dá razão aos argumentos de PPC, e acreditam não haver alternativas. Acreditam na total culpabilidade do anterior governo... Outros, não querem nem saber de politica e passam as suas vidinhas entre os concertos que enchem pavilhões, ou a loucura cega do chamado desporto Rei, nas novelas, ou ainda nos facebooks que são no fundo a parte mais importante das suas vidas. À parte disto, não há grandes convicções, nem ideologias a defender... a ignorancia é mais facil e ajuda a dar cor à vida quando não há coragem para lutar. LAMENTO... e vejo extasiada reportagens sobre o 25 de abril ou o primeiro de maio de 74 que não vivi na realidade porque só tinha 2 anos... Aquilo é que eram homens e mulheres de fibra... Temo que nada volte atrás, e que o que vem pela frente seja demasiadamente pobre! As sociedades e o modo como se vive nelas, são as pessoas que fazem, com empenho, com coragem! Olho para tudo isto com apreensão e pergunto, o que andamos nós a fazer? O que fazem os jovens de hoje? O que, por consequência, podemos esperar do amanhã?

    ResponderEliminar
  7. Já não acredito que seja com manifestações pacíficas que eles cairão!

    ResponderEliminar
  8. O que dizes é muito bonito em teoria, mas na prática eles fazem o que querem e estão-se borrifando para as mentiras e para as desgraças de quem sofre.

    ResponderEliminar