quinta-feira, 26 de abril de 2012

Também já "tive" um pobrezinho...




Numa tarde de um  domingo de Junho, estava eu sozinho em casa a estudar para um exame, quando tocaram à porta. Fui ver quem era. Era um pedinte, velhinho simpático, que me  pediu comida. Advertiu-me desde logo que não queria dinheiro, só comida.
Fui ao frigorífico, recolhi algumas coisas e dei-lhe.
No domingo seguinte, o velhote voltou a bater à porta. Trazia os recipientes que eu lhe entregara com a comida. Desta vez os meus pais estavam em casa e foi a minha mãe que se encarregou da tarefa de lhe arranjar alguns alimentos. 
Não sei a conversa que terão tido mas, na semana seguinte, à hora do almoço, a minha mãe disse para a empregada:
Prepare a comida do pedinte, antes de servir o almoço.
O pedinte chegou à hora habitual . Naquele e em muitos outros domingos que se seguiram. No bornel, não levava os restos do nosso almoço. Levava o seu quinhão pois, nas contas do almoço de domingo,  a minha mãe  já contava com ele, como se de um convidado se tratasse.
Foi assim que eu aprendi a tratar os pedintes que têm fome. A dar-lhes uma parte do que é meu e não as sobras.
É por isso que me indigno com as campanhas que visam branquear a miséria de muitos, com uma solidariedade envergonhada, que serve para tranquilizar algumas consciências, mas não para resolver os problemas de quem tem fome.
Isto não vai lá com cantigas!


8 comentários:

  1. Já referi isso lá no meu canto.
    E por falar no meu canto, pus lá uma ideia e gostava de ter a tua opinião.

    ResponderEliminar
  2. E eu já sentia falta de posts com este registo...

    ResponderEliminar
  3. Olá Carlos,
    Branquear... é essa a finalidade destes impostores que nos desgovernam e que nos vão levar a uma miséria bem pior do que a da ditadura. Há anos que escrevo na net, que os líderes da Nova Ordem querem impingir aos que ainda resta algum dinheiro, a responsabiliddade dos que nada têm... e isso começa logo na ONU. Enquanto o Mundo não estiver completamente pobre e desgraçado... não descansam. Depois inventam uma guerra e tudo começará de novo. Já há muito tempo que investem neste tipo de lavagem cerebral.
    Sabe, Carlos no tempo da ditadura, cá a casa recebia os probrezinhos à quarta feira para almoço e jantar. Tratavamo-los como se fossem da casa, mas quando no fim de jantar partiam pela noite escura e sombria da aldeia, os nossos corações quase se partiam. Ainda eu era uma criança muito pequenina e já sentia o sofrimento desses homens. Voltaremos ao mesmo pode crer e não vejo volta a dar, porque para tudo melhorar era começar por limpar as tais famílias... os tais donos de Portugal. Os mesmos do costume e seus lacaios, que nos deviam era representar!
    Agora explique-me uma coisa: - Porquê solidariedade envergonhada?
    Não será antes pobreza envergonhada?

    Vou aqui deixar um exemplo de lavagem cerebral: Veja a que ponto chega a hipocrisia destes criminosos:

    Hoje em dia uma das expressões mais utilizadas, para além da palavra Corrupção é Ética Social. Lado a lado! Nas vésperas da cimeira mundial sobre a segurança alimentar, nos passados dias 16 e 18 de Novembro, Jacques Diouf da FAO e Ban-Kimoon da Onu, levaram a cabo uma greve de fome de 24 horas como protesto contra a fome crónica mundial e ausência de medidas concretas para atacar esse grave problema. Resolveram assim fazer um apelo aos líderes mundiais e à população em geral para que aderissem ao "projecto"!


    Projecto?! de quem da ONU? da FAO? dos LIDERES MUNDIAIS?! Cheira-me a esturro!

    Estes projectos deixam muito a desejar... realmente deixam, mas estão a banalizar-se e de que maneira! Estão a aproveitar a capacidade mimética (imitação) inerente ao homem e a sua bondade já tão mitigada! Agora pelos vistos, querem que seja a população em geral, a tomar a responsabilidade do que se passa no mundo? que diabo se passa?! Mas como me disseram, nós temos de ajudar, nós somos as ONG, o Estado e a ONU.

    O quê?! Mas afinal somos essas organizações, apenas no que toca a dar contributo?! E quanto ás decisões que tomam, sem que a população em geral o saiba e onde é apenas um peão mandado, como no caso dos capacetes azuis?! E quanto às decisões de distribuição do dinheiro público?! E quando decidiram esses banqueiros e especuladores financeiros despoletar a crise?! A população participou?
    http://www.noticiaslusofonas.com/view.php?load=arcview&article=24634&

    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Depois de ler o soberbo comentário da Fada do bosque, que mais poderei acrescentar?
    Olha, que a solidariedade do tipo caridadezinha, tão usada no tempo da outra senhora e com continuação neste, de envergonhada não tem nada. Pelo contrário, faz-se até muita questão de exibir.
    E pobreza envergonhada é a actual classe média,isso sim!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Andam para aí de novo a brincar à caridadezinha!!!

    ResponderEliminar
  6. Idem de todos os que falaram antes...

    Isto não vai lá com cantigas... mas quem as tem divulgado?
    Não, não se apresse a considerar mal o meu comentário...

    É que cantar, anima...

    ResponderEliminar
  7. A mesma caridadezinha que as senhoras da alta sociedade tinham nos velhos tempos, em que se reuniam a jogar canasta e a comer do bom e do melhor, com a desculpa que estavam a angariar fundos para os pobrezinhos... Cambada!

    ResponderEliminar
  8. Ainda há minutos li numa capa de um jornal que Jardim Gonçalves recebe 167 mil euros de pensão por mês...

    ResponderEliminar