quinta-feira, 19 de abril de 2012

Outros sinais




O que se passou hoje na Fontinha , no Porto, não foi só o fim de um sonho, de um projecto educativo com uma forte componente cívica. Foi também a certeza de que estamos a viver um pesadelo de que é preciso acordar enquanto é tempo.
Ao ver a actuação bárbara e esquizofrénica da polícia, lembrei-me da polícia de choque do tempo do Estado Novo. Bateram a torto e a direito, como se estivessem drogados, como se cada bastonada fosse  a concretização de um sonho de vingança  que alimentavam desde o 25 de Abril.
Não deixei de recordar notícias recentes indiciando a presença crescente de criminosos nos quadros da polícia. Talvez alguns dos polícias que actuaram esta manhã na Fontiha fossem mesmo criminosos disfarçados de polícias. Por isso tinham aquele olhar vidrado de drogados e o ódio estampado no rosto. 
Fico ainda preocupado com o facto de a Câmara Municipal do Porto ter  utilizado bombeiros  desfardados e de cara tapada para apoiarem a intervenção. Rui Rio terá perdido alguns pontos em Belém, agora confortado com uma leizinha que permite aos bancários acumular reformas com o cargo de funções públicas, a que a comunicação social se tem esquecido de dar o merecido destaque.
O 24 de Abril está cada vez mais perto e , ao ler isto, sinto que  não tardará muito até assistirmos  a um caso idêntico ao que ocorreu na Grécia.
Quando isso acontecer , o Boca de Brioche dirá diante das câmaras de televisão- entre um copo de espumante e uma salsicha- que lamenta o sucedido, mas que a morte de um cidadão desesperado não desviará um milímetro a sua política de destruição do país.
Pode ser que um tresloucado decida fazer justiça pelas próprias mãos e acabe de vez com  o sorriso cínico da estrela falhada do show bizz.


5 comentários:

  1. Hitler também cumpria as leis que o Parlamento aprovava!
    Isto é um nojo completo.
    Rui Rio tem-se caracterizado por uma intransigência que aflige se um dia tiver poderes maiores!

    ResponderEliminar
  2. Não é primeira vez que assistimos actuações de extrema violência por parte das autoridades policiais desde que o "Boca de brioche" tomou conta disto. Devem sentir as costas quentes, pois não vejo outra explicação.
    "Boca de brioche" é que ainda não ouvido chamar-lhe, mas não está mal visto. Abraço.

    ResponderEliminar
  3. O comentário removido dizia o mesmo que o publicado, mas ao ler idêntico texto em "Nortadas" julguei ter colocado o comentário no local errado.

    ResponderEliminar
  4. O 24 de Abril está cada vez mais perto, nos dois sentidos... A força desproporcionada é uma avizadela, para que tenham medo dela.

    ResponderEliminar