segunda-feira, 16 de abril de 2012

A Festa

Felizmente, nos rescaldos das festas nem todos ficam ébrio. Há gente capaz de manter a lucidez e escrever um texto muito esclarecido, como o Porfírio faz aqui.

10 comentários:

  1. Bem apontado, Carlos! obrigada por mais uma boa partilha! ...tu és como aqueles caderninhos amarelos com resumos das obras de leitura obrigatória do secundário. Poupas-nos o trabalho de escarafunchar a blogosfera e dás-nos a informação relevante. =)

    ResponderEliminar
  2. Eu ouvi-a em directo e suponho que nem haveria comentários se ela não se atirasse toda para a frente e repetisse a palavra festa vezes sem conta e, a maneira como o disse, é que deu motivos para ter caído mal, mais a mais que estava no preciso momento em que deveria ter explicado o tal meio milhão mal explicado... Às vezes até se pode ter razão... mas perde-se a compostura e deita-se tudo a perder.
    Quem ouviu em 2ªmão e não viu como a coisa se passou e em que momento ela desatou a falar de festa... pode interpretar como o Porfírio... mas ela é que se pôs a jeito e alguém que ocupa certos cargos não se pode dar a esse luxo.

    Bjos

    ResponderEliminar
  3. Um post esclarecido e esclarecedor! Foi boa a festa, pá! ;)

    ResponderEliminar
  4. Isa, Lurdes Rodrigues usou o termo "festa" depois de ter sido interpelada por um deputado com esse preciso termo. Talvez já de propósito para provocar este arraial.
    Além do mais, desculpe a franqueza, mas reduzir a minha "interpretação" a esse pormenor é, realmente, não ter percebido o fundo do que eu estou a dizer. Quando a política parece ser só exploração desgarrada de certos termos, é porque alguma coisa se esconde nesse manto.

    ResponderEliminar
  5. Porfírio Silva

    Para mim não foi um pormenor e se alguém é desbocado, não se pode repetir o mesmo erro, neste caso vezes sem conta, pois na minha opinião acaba-se por perder a razão.
    Ainda me lembro do ministro que fez "corninhos", imagine se em resposta tivesse o outro a responder da mesma maneira...
    Não ponho em causa se foi ou não foi bom para as escolas, até posso dizer que sim, o meu garoto foi para uma escola remodelada onde, antes, até ratos havia... mas há que exigir mais para se ter mais, e os nossos políticos andam na sua grande maioria com uma grande falta de educação, ética e mais coisas... porque alguns, para mim, são verdadeiros mafiosos legalizados e há que mostrar que certas coisas caiem mal... talvez, quem sabe por não estarmos, mesmo, em tempo de festa.
    Respeito todas as opiniões mas, já anteriormente, tive que dar a minha... vi, ouvi e não gostei deste despique, parece que é uma coisa banal, mas com o país no estado que está, estas banalidades começam a cansar e, pelo meu lado, levei a coisa com humor porque verdade, verdadinha, apetecia-me dizer um palavrão... mas lá estaria o problema... perdia a minha razão ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa, a festa não é pecado, nem sequer erro.
      Erro é roubar os outros, é ser pago para trabalhar e fazer de conta, é explorar o trabalho dos outros, é ser eleito para governar e ficar quedo.
      Pode dizer os palavrões que quiser, não lhe levo a mal. Acho melhor dizer palavrões do que reduzir a intervenção de uma pessoa ao uso de uma palavra de que, pelos vistos, alguns não gostam. Está no seu direito de não gostar, mas "festa" não é nenhum palavrão, nem sinónimo de pecado, nem de coisa mal feita. Precisamos mesmo é de mais coisas que sejam festa para as pessoas, para o país, para os nossos filhos. Era isso que estava em debate - e reduzir o debate a coisas laterais é negar o debate, é tentar não ouvir as razões do outro. Foi, aliás, para isso, que serviu todo este folclore. Folclore também é bom, mas não para substituir a política.
      Digo-lhe tudo isto, com toda a franqueza, porque quero acreditar que realmente o que lhe interessa é compreender a realidade - e , nesse caso, acho que devo contribuir para que não se distraia com "eventos laterais".
      Um abraço

      Eliminar
  6. Um excelente texto não só esclarecido como é timbre do Porfírio, como justissimo para Maria de Lurdes Rodrigues. Este país está cheio de cobardolas que merecem inteiramente estes gajos que nos governam.

    ResponderEliminar
  7. Concordo inteiramente com o texto.
    Mais, Maria de Lurdes Rodrigues foi uma excelente ministra da Educação, mas atreveu-se a mexer em assuntos "sensíveis"...

    ResponderEliminar