quinta-feira, 26 de abril de 2012

Descubra as diferenças


Ontem, ficou bem visível que, em termos de órgãos de soberania, não há grande diferença entre o antes e o depois do 25 de Abril de 1974. A única excepção, é mesmo a presidente da AR que, ou muito me engano, ou será a candidata do PSD a Belém em 2016.
Quanto ao PR, as únicas diferenças entre Tomás e Cavaco são físicas. Ambos são meras figuras decorativas, que se limitam a abanar a cabeça ao governo da União Nacional. É verdade que Tomás nos fazia rir mais, mas o conteúdo das mensagens de ambos equivalem-se na pobreza de ideias. Pronto, concedo, este viaja mais do que o sr.Américo, mas nós dispensávamos bem que o sr. Aníbal andasse a dar a volta ao mundo, porque – além de ser dispendioso para o erário público -  a imagem que deixa de Portugal além fronteiras nos envergonha.
Quanto aos governos, ambos vêem o povo como carne para canhão. Na esteira de Salazar, Caetano mandava os jovens morrer em África; Coelho manda-os morrer longe, pouco lhe interessando o destino que escolham. O importante é que não fiquem por cá, porque só atrapalham.
Ambos desprezam o povo e defendem, acerrimamente, os interesses do capital, enquanto tratam a oposição como um grupo de inimigos que só quer mal  ao país. 
Talvez a única diferença que exista é que Caetano acreditava em Portugal , enquanto Coelho se está borrifando para o país e não hesita um momento em vendê-lo aos interesses estrangeiros. Não esconde, aliás, o orgulho em ser governado pelo FMI.
Passos Coelho, por vezes, faz-me lembrar o filho que Salazar escondeu dos portugueses,  por não querer  revelar o nome da mãe e ter medo que chamassem nomes feios ao catraio.

6 comentários:

  1. Gostei muito de ler esta crónica e concordo absolutamente com o Carlos.

    Pensava que o Salazar não gostava de mulheres, mas sim, do cardeal Cerejeira.
    O PPC não pode ser filho do Salazar, pois quando foi concebido já o Salazar não saía da cadeira e, quando saíu, aconteceu o trambolhão fatal.

    Se em 1916 a Esteves fosse eleita para Belém, era um bom motivo para eu regressar a Portugal.

    Com quem havia eu de festejar o 25 de Abril?
    Ainda pensei telefonar para Portugal, mas quando abro a boca sobre a política portuguesa, dizem-me logo: "Teresa, tu és alemã!!!".

    Bom viagem e divirta-se em Berlim, que é uma cidade moderna e da qual eu gosto muito.

    ResponderEliminar
  2. Tristes representantes que temos dentro e fora de portas! E apenas preocupados com o seu umbigo e falhos de ideias... :P

    ResponderEliminar
  3. Carlos,

    Parece que ouviste a conversa que eu tive hoje de manhã com o meu marido.
    Não posso estar mais de acordo com tudo o que dizes. Até sobre a Assunção Esteves eu concordo contigo. Ela deu mais alegria às comemorações do 25 de Abril e parece-me uma mulher de fibra.

    O resto pode ir à vida que, na minha opinião, os Portugueses fariam melhor trabalho se permanecessem em auto-gestão.

    ResponderEliminar
  4. Carlos, que bem se leem agora as CR! Já não preciso estar com o nariz quase colado ao monitor. Os meus olhos agradecem-te.
    Fizeste o retrato perfeito comparativamente aos orgãos de soberania actuais com os de antigamente. E foi para isto que se fez uma revolução...
    Quem sabe se a Presidente da AR estivesse a desempenhar o cargo do PPC, as coisas não corressem bem melhor para nós.Para além de ser uma mulher inteligente é honesta e sensata.
    Se já tiveres viajado para o país da tia Angie desejo-te boa estadia.Tem cuidado com ela...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Que dias pacíficos não teria o Governo se não houvesse povo?!

    ResponderEliminar