segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cruzados assinalam data com atentado


Sempre que se aproximam as datas religiosas de 31 de Maio ( Dia  Mundial sem Tabaco)  e 17 de Novembro ( Dia do não fumador) , os Cruzados anti-tabágicos  dão sinais de vida. Inspirados nos talibãs, planeiam um atentado legislativo  e ceifam mais algumas liberdades individuais.
Desta feita, dissimulando-se  defensores da saúde das crianças, para não violarem a Constituição, pretendem proibir que cada um fume dentro do seu próprio carro, quando transportar crianças. 
Não sei se haverá atrasados mentais que fumem quando levam crianças no carro, pelo que a medida me parece totalmente inócua, mas se calhar estou enganado... e só tem como objectivo preparar uma outra, mais drástica, que proíba fumar dentro das nossas casas...
Mais grave parece-me a medida ( ainda em estudo, mas certamente a ser implantada nas vésperas do aniversário do 17 de Novembro) que visa proibir o fumo dentro de todos os estabelecimentos de restauração e hotelaria e mesmo na rua, nas imediações de locais de diversão nocturna.  Não satisfeitos, preparam-se para proibir as máquinas de venda de tabaco. Este batalhão de imbecis , invocando  estudos da treta, alega que os ataques se destinam a proteger a saúde dos não fumadores, mas esquecem que muitos dos proprietários desses estabelecimentos investiram largos milhares de euros em equipamentos e licenças  para que os seus estabelecimentos tivessem  espaços de liberdade para os fumadores. Dinheiro deitado à rua, portanto. Depois venham falar-me de desperdício…
Mas isso não interessa nada aos Cruzados fundamentalistas que delapidam o erário público recebendo salários para produzirem alarvidades.
Gostava era de ver  esta corja de frustrados  preocupar-se com as pessoas que morrem de fome, de frio e por falta de medicamentos, por não terem  dinheiro para satisfazer as necessidades básicas. Mas aí, está quieto ó mau, porque a troika exige que o governo mate pessoas para equilibrar as contas. PQP!

12 comentários:

  1. Carlos
    Talvez aqueles que teimam em manter este vicio (que é o meu caso) tenham que criar uma reserva (tipo a dos Índios). Quem sabe se a Cristas não arranjar clientela para aqueles hectares de terras que vai pôr à disposição de jovens agricultures, não se possa fazer a sugestão.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  2. Acho incrível esta mania hipócrira de perseguir quem fuma!!! E porque só falam no tabagismo?! E quanto ao alcoolismo?!

    Que interesses se escondem atrás destas campanhas unidirecionadas???

    Não vejo uma única campanha , uma única proibição contra o álcool, porque motivo?

    Eu fumei durante décadas e só deixei de o fazer porque a minha garganta se começou a ressentir e eu tinha uma profissão em que era obrigada a falar muito.

    Mas esta lei proposta pelo católico Paulo Macedo deve ser a sua costela de inquisidor a vir ao de cima!!

    Boa semana, meu amigo.

    ResponderEliminar
  3. Eu talibã me confesso: NUNCA deixei o meu marido fumar junto aos nossos filhos e, em casa só nas varandas.

    Quem está junto a uma pessoa que fuma respira também o fumo, enquanto se se está perto de um alcoólico o cheiro não mata ninguém, só dá vómitos.

    A guerra entre os fumadores e não fumadores continua e eu, nascida no dia 31 de Maio continuo na luta!!!

    ResponderEliminar
  4. De repente lembrei-me do Anjo da Morte, o Dr. Mengele, e das suas experiências pseudo científicas em judeus para melhorar o bem estar da humanidade...
    Àparte as respectivas proporções... não vejo grandes diferenças.

    ResponderEliminar
  5. PQP a estes fundamentalistas todos, mesmo! Há tanta causa aí mais justa, de dar de comer a quem tem fome, teto a quem não tem casa, remédios a quem deles necessita e não tem como os pagar, etc. e tal, mas só embicam com os fumadores, ainda por cima com o argumento que é para bem da sua saúde?! Obrigadinha, mas não preciso de polícias para tratar da minha saúde...

    Aliás, esta gentalha é que trata bem da dela, a dirigir gabinetes de estudos inúteis e em cargos de direção de não sei do quê, a perseguir os outros e a proibir tudo o que lhes passa pela cabeça! De caminho ainda vão pôr polícias a passar multas, em mais um "roubo" ao bolso dos portugueses... Cambada!

    ResponderEliminar
  6. Aqui essa lei já existe e funciona.
    Um beijinho

    Lucia

    ResponderEliminar
  7. Já fumei durante vários anos da minha vida. Pouco mas fumei. Sempre me insurgi contra quem fuma em locais onde estejam crianças, no carro, em casa em locais públicos. Mas nunca fui fundamentalista da coisa só que este meu vizinho do apartamento debaixo do meu está a cortar-me o direito e a liberdade de ter a janela da sala aberta e isso não me está a cheirar nada bem...

    ResponderEliminar
  8. Desde que sejam medidas para cobrar multas... o resto é irrelevante para os fanáticos que gostam de mandar na vida dos outros.Tudo começa na base das boas intensões, do bem disto e daquilo e qualquer dia, à nascença, até nos enfiam um chip... já faltou mais...

    Bjos

    ResponderEliminar
  9. Isto agora começa a tomar contornos preocupantes, uma autentica aberração.

    ResponderEliminar
  10. Grande post Carlos! Desde o tempo de Bernays que os fumadores são bodes expiatórios. É muito fácil a ostracização pela parte de quem não fuma, nest caso claro; porque foi já o inverso:

    Bernays helped the Aluminum Company of America (Alcoa) and other special interest groups to convince the American public that water fluoridation was safe and beneficial to human health. This was achieved by using the American Dental Association in a highly successful media campaign.

    In the 1930s, he attempted to convince women that Lucky Strike cigarettes' forest green pack was the most fashionable color. Letters were written to interior and fashion designers, department stores, and prominent women of society pushing green as the new hot color for the season. Balls, gallery exhibitions, and window displays all featured green after Bernays got through with them. The result was that green did indeed become a very hot color for the 1934 season and Lucky Strike kept their pack color and female clientele intact.

    After his semi-retirement in the 1960s he worked with anti-smoker lawyer John Banzhaf's group, ASH and supported other anti-smoking campaigns.
    Acho muito bem que lutem uns contra os outros e já agora que se matem por indução cerebral e com a falta de memória inerente. esses Lutadores que pensam ter estatuto de heróis... e não passem de cobaias. Chego a achar o ser humano... cómico.

    Em resposta à São,
    Nada contra o alcoolismo causador de violência doméstica, porque "elimina" também muitos nas estradas... isso dá-lhes imenso jeito.

    ResponderEliminar
  11. Ora aí está, Carlos. Gostava bem mais de os ver preocupados e ocupados com a questão da pobreza crescente.

    ResponderEliminar
  12. Qual é a eficácia de uma m#$%^destas? Como se controla e pune?
    Stop the world!!!

    ResponderEliminar