terça-feira, 13 de março de 2012

A Mulher


Um ente de paixão e sacrifício,
De sofrimento cheio, eis a mulher!
Esmaga o coração dentro do peito,
E nem te doas coração, sequer!


Sê forte, corajoso, não fraquejes
Na luta: sê em Vénus sempre Marte;
Sempre o mundo é vil e infame e os homens
Se te sentem gemer hão-de pisar-te!


Se à vezes tu fraquejas, pobrezinho,
Essa brancura ideal de puro arminho
Eles deixam pra sempre maculada;


E gritam então vis: "Olhem, vejam
É aquela a infame!" e apedrejam
a pobrezita, a triste, a desgraçada!
(Florbela Espanca)

5 comentários:

  1. Não quero perder o filme em que é o personagem principal e que vai estrear breve.

    ResponderEliminar
  2. Florbela Espanca é tuuuudo de bom.
    Beijinhos

    Lucia

    ResponderEliminar
  3. Os poemas dela transmitem uma dor que impressiona.

    ResponderEliminar
  4. Aqui vive-se tudo e a dor torna-se companheira de viagem em todos os momentos.

    ResponderEliminar
  5. Outra poetisa portuguesa de quem tenho toda a sua obra, até os contos, que não têm a qualidade da poesia.

    O Vieira da Silva entrou no meu coração como uma brisa muito fresca.
    Muitíssimo obrigada, Carlos, pela dica.
    Em Abril vou dedicar-lhe uma posta, pois logo, que o Março termine, vou largar as mulheres por algum tempo.

    ResponderEliminar