segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Quando a ficção se cruza com a realidade


Há dias fui ver “ Nos idos de Março”. Poderia ser um bom filme se não se enredasse numa trama final pouco convincente. Eu sei que a chantagem é um trunfo político relevante e quando mete pelo meio jornalistas mais interessados na política do que no jornalismo pode ser determinante para virar todas as sondagens. No entanto, aquela tinha pouca consistência e o facto de o assessor despedido ter feito vergar George Clooney, apenas demonstra a fraqueza do candidato.

Infelizmente, a qualidade dos políticos que governam o mundo degrada-se a uma velocidade vertiginosa, expondo-os aos ataques de uma comunicação social armada em justiceira e favorecendo o aparecimento de oportunistas, envolvidos na capa de pessoas dignas. Só que quando o verniz estala....

Quando o filme terminou fiquei com uma sensação amarga de “déjà vu”. Como escrevia a Teté num post que deliberadamente só fui ler depois de ver o filme e subscrevo na íntegra:


No entanto, ao ler a notícia de que Herman Cain (o inenarrável candidato dos Republicanos às presidenciais americanas de 2012 que até conseguia transmitir a ideia de que Bush era um tipo inteligente, tantas foram as gaffes que cometeu ao dar entrevistas em que parecia estar a curar uma ressaca) foi obrigado a desistir da corrida, depois de a comunicação social ter divulgado o seu envolvimento em vários escândalos sexuais, fico a pensar que- pelo menos nos EUA- a realidade e a ficção têm encontro marcado em cada esquina.

Na Europa- principalmente nos países do sul- um candidato com o curriculum extra-cojugal de Cain teria a vitória garantida. Como o demonstra, por exemplo, Berlusconni, cuja queda não se ficou a dever às festas do “bunga-bunga”, mas sim a não ter evitado o descalabro financeiro da Itália.

Em 2015 teremos eleições em Portugal. Sendo conhecida a insegurança de Seguro e a imagem de bom chefe de família de Pedro Passos Coelho, a única hipótese de o PS vencer as eleições será um escândalo sexual que transforme a imagem de Seguro num macho latino. Infiel, incapaz de resistir a um rabo de saias, dominador irresistível de fêmeas com cio.

Por muito que custe admitir, na mentalidade latina- cuja máxima expressão é a sociedade tuga- a qualidade mais apreciada num político é a afirmação da sua sexualidade. Não foi por acaso que em 2005 surgiu aquele boato sobre a homossexualidade de Sócrates, criado nos bastidores da campanha de Santana Lopes, símbolo sexual do fulgor sexual latino com expressão comunicacional apropriada na criação das “santanettes”. O objectivo era claro: votem em mim, que sou macho; o outro é larilas (vocabulário da discoteca Capital, no top das preferências de Santana à época).

Em Portugal é assim: o tarado sexual ganha ao homossexual e não há volta a dar-lhe. Quando se enfrentam candidatos como Sócrates e PPC, sem sinais externos de sexualidade exuberante, o povo abstém-se. Como aconteceu em Junho deste ano.



6 comentários:

  1. Não é só por cá, infelizmente.

    Fico com a impressão de que, apesar de tudo, vale a pena ir ver o filme.Engano-me?

    Uma semana boa

    ResponderEliminar
  2. Bem fechado o leque:

    "Em 2015 teremos eleições em Portugal. Sendo conhecida a insegurança de Seguro e a imagem de bom chefe de família de Pedro Passos Coelho, a única hipótese de o PS vencer as eleições..."

    [até no subconsciente (?) se defende que não haja nada de diferente...]

    ResponderEliminar
  3. Ahahahaha... (Isto até seria cómico, se não fosse trágico). E o pior é termos de andar "nas mãos" deste gentalha! Abraço

    ResponderEliminar
  4. A propósito disto, deixa-me referir a última sondagem da marktest que dá o PSD a subir imenso...
    Depois lá se vê, em letras pequenitas na ficha técnica, que foram entrevistadas 180 pessoas no Interior Norte... e 120 na Grande Lisboa!

    ... e assim se faz política em Portugal!

    ResponderEliminar
  5. "dominador irresistível de fêmeas com cio" ...???
    Oh Carlos, então?????:))))

    Nos USA há uma grande hipocrisia nas questões ligadas à sexualidade, que já está a contagiar a Europa. À época era do conhecimento geral o rabo de saias que era o Kennedy, e não foi por isso que foi morto. No caso Berlusconni até me parece que quem andava sempre com cio era ele e não elas....
    :)))

    ResponderEliminar
  6. Pois, o filme é mais do mesmo e não muito distante da realidade! :)

    Apesar de tudo, a Santana Lopes não valeu de muito a fama de mulherengo, tanto que perdeu as eleições... A abstenção das últimas eleições também não me parece devida à vida sexual recatada dos dois candidatos, mas à malta estar farta de promessas que nunca se cumprem... ;)

    Só em 2015? Não sei, não...

    ResponderEliminar