domingo, 2 de outubro de 2011

O acto falhado do speaker da CGTP

Não terá sido uma manifestação grandiosa, mas foi uma grande manifestação. Não terá reunido tantas pessoas como algumas das realizadas em protesto contra o governo anterior, o que se compreende, porque os portugueses parecem estar satisfeitos com as medidas deste governo que lhes cortou em apenas três meses mais direitos e roubou mais dinheiro, do que os governos de Sócrates em seis anos. Muitos portugueses são masoquistas, adoram tiques governativos que lhes façam lembrar os saudosos tempos do Estado Novo e contra isso nada a fazer.
De qualquer modo, quando cerca das 17 horas eu chegava aos Restauradores, a speaker dizia que ainda havia gente a descer a Fontes Pereira de Melo, o que permite perceber a dimensão da manif.
O que não era preciso era o acto falhado de um speaker na Av da Liberdade. Entusiasmado com a mole humana que desfilava à sua frente, gritou a plenos pulmões:
“ É preciso derrotar este governo PS/CDS que está a levar o país ao empobrecimento”
Eu e as pessoas que me acompanhavam, ainda esperámos que ele emendasse, mas nada… Na CGTP ainda haverá quem pense que é o PS que está no Governo e não o PSD, ou confirma-se que realmente o ódio ao PS se sobrepõe às críticas ao PSD?

14 comentários:

  1. CGTP/Protestos: Carvalho da Silva apelou à unidade das forças sociais e políticas

    De Rosária Rato (LUSA) – Há 2 horas

    Lisboa, 01 out (Lusa) - O secretário geral-da CGTP, Manuel Carvalho da Silva, apelou hoje às forças sindicais, sociais e políticas para que se unam contra as medidas de austeriadde que estão a ser impostas e a retirada de direitos sociais e laborais.
    "Fizemos aqui um apelo a todos os trabalhadores, à população em geral e às forças políticas porque se todos se unirem ainda é possível evitar a concretização dos desastres que estão a preparar", disse Carvalho da Silva aos jornalistas no final da manifestação que se realizou durante a tarde em Lisboa.
    O sindicalista referiu-se em concreto ao Partido Socialista mas defendeu a necessidade de este não assumir mais compromissos com políticas neo-liberais.

    ResponderEliminar
  2. Um grande problema da CGTP (ou será também do PCP?), são essas lutas antigas, em que o "adversário" é o mais próximo, não o que está nos antípodas... ;)

    ResponderEliminar
  3. Aqui no Porto foi uma GRANDE manifestação!!!

    Apesar do calor, vieram pessoas revoltadas e dispostas a lutar, das diversas cidades nortenhas.

    Eu até esqueci a Merkel e cantei com grande entusiasmo, dando assim voz à indignação do que se está a passar em Portugal.

    ResponderEliminar
  4. Eu já nem faço comentários..., até porque já há por aqui pontos de ordem à mesa!

    :)))

    ResponderEliminar
  5. Rogério
    Isso em nada invalida o que escrevi sobre o speaker.
    Carvalho da Silva ( por quem tenho grande apreço e escolhi como figura da semana,por ser uma pessoa íntegra, cordata e de grande seriedade) nada tem a ver com o speaker.
    É preciso saber separar as águas,não lhe parece?

    ResponderEliminar
  6. Acho que percebi. Para si existe o Carvalho da Silva, que é fenomenal e depois a CGTP-IN que é um somatório de speakers de ódios mal recalcados. Sua presença na manif. dá disso testemunho, ignorando o dito fenomenal para salientar o que disse o "seu" pessoal. Separou as águas.
    Eu também... no primeiro comentário que lhe fiz.

    Só mais uma achega que o Carlos não sei se vai enxergar: As acções de protesto fazem-se contra as politicas e as correspondentes medidas... Era PS e agora é outra gente? Isso é secundário (embora importante, claro)

    ResponderEliminar
  7. Que mania tem o pessoal de falar em Direitos...

    Nós não temos Direitos, temos Privilégios Temporários.

    Posto isto...

    Quanto ao que o "trombone" gritou... que interessa... na realidade não disse nada de errado pois PS=PSD=CDS logo tanto faz mais um 'D' menos um 'D'... Também houve um bacano que chamou pelo Guterres e não o queria... por isso!

    ResponderEliminar
  8. Carlos
    Quer se queira ou não, só com a unidade das forças de esquerda se consegue fazer inverter a política neoliberal que ainda está no principio.
    Mas há de facto uma limitação que pode desajudar. A estória que contou é só um exemplo.
    Mas como é Domingo, não me apetece levar porrada, não digo mais nada por agora
    mas é um tema que penso abordar no próximos dias.
    Abraço

    ResponderEliminar
  9. É meu querido amigo
    Você bem que me disse que havia disso.
    Atos falhos dizem por si,porém só alguns conseguem entende-los.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Um speaker que foi speakado, eheheheh
    Há pessoas que mais valiam nem sair de casa.

    Beijo

    ResponderEliminar
  11. Rogério:
    Tal como pensara, não percebeu. Falei de UM speaker e não de uma série. Como poderia ter falado do lobo Nogueira que agora virou cordeiro ou do Figueira que se acoitou no gabinete do Relvas. Uma andorinha nunca fez a primavera, mas há muitas andorinhas que destilam ódio ao PS e amesendam com o PSD. O que eu até percebo, mas não aceito. Como acontece com o Carvalho da Silva, cujo discurso foi bem elucidativo.

    ResponderEliminar
  12. Zé da minda sempredomingo, 02 outubro, 2011

    Não vou as manifestaçoes do PCP/CGTP.Nunca votei num sindicalista comunista.Neste periodo dificil,as manisfestaçoes deviam ser organizadas pela sociedade civil,para não termos a "defender" os nossos interesses,individuos que não estão interessados no regime democratico.Puseram o pais a negociar com a troika,e agora hipocritamente vertem lagrimas de crocodilo.Nota: fui membro de varias cts.e delegado sindical com autonomia,pois foi esta a condição que pus para levar 70 trabalhadores comigo.Sou do tempo em que os comunistas pediam aos Psd descontentes para não votarem no ps.

    ResponderEliminar
  13. Voltando à vaca fria
    e onde tudo começou
    Ouviu um speaker
    Pronto. Postou!
    Esqueça até que que eu comentei...

    ResponderEliminar
  14. Ao mesmo tempo João Proença, sentado numa esplanada com Arménio Santos, gisava planos para não atrapalhar a governação de Passos Coelho, coisas.

    ResponderEliminar