sábado, 29 de outubro de 2011

Histórias da Carochinha

Ainda há quem acredite que só há imprensa livre, se ela estiver na mão de interesses privados e por isso defenda a privatização da RTP. Eu também já acreditei em sapos que se transformam em princesas... mas já não vou na cantiga dos contos de fadas. A leitura dos jornais portugueses desenganou-me. São em demasiado número as notícias sobre política nacional criadas nos bastidores das redacções, com propósitos inconfessáveis.




Quanto ao noticiário internacional, limita-se a reproduzir o pensamento dominante a partir da Casa Branca.




Não há comunicação social livre na posse dos privados? Haver, há, mas não é em Portugal.

5 comentários:

  1. Histórias para "embalar" crianças...
    Cada "um" ao que convém mais, há excepções felizmente!

    ResponderEliminar
  2. Concordo consigo . O que se lê nos jornais ou se ouve na radio tem todo o aspecto de ser "encomendado" com a finalidade de manipular . A situação não é boa mas se isto fôr repetido 24 sobre 24 horas em tom alarmista , insinuando pelo meio que medidas tomadas ou ainda para sair são a salvação , corre-se o perigo de que alguem acredite.Mas isso é o que pretendem, não é ? . Notícias não manipuladas deixaram de existir .Aliás o mundo deixou de existir , apenas se ouve falar de Portugal/crise -Europa/crise . Pergunto-me para onde foi a ética e independência dos jornalistas .
    Que pena :(
    Espero que tenha feito boa viagem :)

    ResponderEliminar
  3. Cada vez haverá menos, até na pública.

    LUIZ

    ResponderEliminar
  4. Cada vez mais vemos unicidade e unanimidade nos fazedores de opinião!
    As vozes discordantes são secundarizadas!
    Como vejo normalmente a Sic, noto que os convites aos comentadores se cingem a uma faixa ideológica cada vez mais estreita.

    ResponderEliminar
  5. Isto é tudo muito pequenino, um a pessoa para manter a sanidade mental tem de quando em vez de fazer um período sabático e deixar de ler jornais, isto está irrespirável.

    ResponderEliminar