segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Geração K

O casal Kirchner celebrando a primeira eleição de Cristina


Numa época em que as jovens gerações europeias e norte-americana olham para o futuro sem esperança, é reconfortante saber que num longínquo país sul-americano há uma geração cheia de esperança no futuro, conhecida por Geração K.
Não, não é a geração que escreve Kuando, Kero ou Kompanheiro. É uma geração argentina, pós Corralito, grata a Gustavo e Cristina Kirchner por lhes ter devolvido a esperança num futuro melhor.
Em 2001, quando a Argentina mergulhou numa gravíssima crise económica e financeira, em resultado das políticas do ministro das finanças Caballo e da falta de escrúpulos do presidente Menem, os governos argentinos sucederam-se a uma velocidade vertiginosa. Chegou a haver dias marcados pela tomada de posse de três governos.
A Argentina estava a ferro e fogo, Buenos Aires parecia uma cidade a viver um período pós-guerra, os assaltos de populações famintas a supermercados eram uma constante, os ataques das populações aos bancos foram marcados, não raras vezes, por cenas de enorme violência, o lixo amontoava-se nas ruas que se assemelhavam a campos de batalha. Assisti a boa parte destes acontecimentos e, quando no aeroporto de Ezeiza apanhei o avião para regressar a Portugal, não pude conter as lágrimas, porque pensei que a "minha" Argentina ia mergulhar no caos e os militares se voltariam a aproveitar da situação, para impor uma nova ditadura
O período de turbulência civil conheceu uma acalmia quando o então desconhecido Nestor Kirchner assumiu a liderança do governo, enfrentou o FMI, os Estados Unidos e as oligarquias internas que ainda suspiravam pela ditadura.
Os agentes da ditadura ( entre os quais se encontravam muitos membros do clero) responsáveis por milhares de mortos e desaparecidos, começaram a ser julgados e condenados e, num gesto simbólico mas que os argentinos interpretaram como um sinal de mudança, retirou o quadro do ditador Videla da Casa Rosada ( sede do governo).
Nestor Kirchner devolveu aos argentinos a credibilidade na política, que eles tinham perdido com Caballo, Menem e os políticos "democratas" que se seguiram à ditadura, mas nunca tiveram coragem de afrontar os militares , nem o poder económico e financeiro que continuou a dominar o país.
A população foi sujeita a enormes sacrifícios mas, volvida uma década, tem esperança no futuro. Quando Nestor Kirchner morreu, a Argentina tinha começado a recuperar o seu estado social e, apesar de os destinos do país já estarem entregues à sua mulher Cristina, o país chorou a morte de Nestor Kirchner como se ele ainda fosse o seu presidente.
Enquanto a imprensa europeia e norte-americana enchia páginas de jornais a desacreditar as capacidades de Cristina Kirchner, ela ia conquistando o coração dos argentinos. Criando emprego, melhorando o estado social, promovendo a inclusão, preocupando-se com os mais desfavorecidos e, seguindo as pisadas do marido, enfrentando os mais poderosos.
Dir-se-á que a família Kirchner, já política e financeiramente poderosa quando chegou ao poder, tem hoje um peso demasiado forte em todo o aparelho do Estado. Será… mas quantas famílias políticas dominam o poder em Portugal há três décadas e a única coisa que fizeram, foi desbaratar o país?
Acredito que quando os argentinos sentirem que o poder dos Kirchner se pode estar a tornar perigoso, não vão ficar à espera do desmoronar das esperanças. A memória da ditadura ainda está bem presente naquele povo e o governo é o primeiro a dar o exemplo, para que a memória de uma época tão dramática e sangrenta da história azul-celeste seja transmitida aos mais jovens.
Estes são os factos. Determinantes para que Cristina Kirchner, acossada pela direita conservadora, obrigada a enfrentar gravíssimos problemas que lhe foram colocados durante o seu mandato pelos interesses económicos e financeiros que resistem à capitulação, tenha sido ontem reeleita Presidente da Argentina, com larga maioria. A vantagem mais dilatada ( 54%) obtida por um candidato, desde o ano de 1983, que marcou o fim da ditadura e o regresso à democracia. Em segundo lugar ficou o candidato da Frente Progressista Hermes Binner, com menos de 17 por cento.
A Geração K , esperançada no futuro do país, avalizou , sem tibiezas, a política de Cristina Kirchner, num acto eleitoral muito participado, onde a abstenção rondou os 24 por cento.
Que bom seria se por cá os jovens pudessem depositar a mesma esperança no futuro e eu pudesse escrever com o mesmo entusiasmo, sobre os governantes que conduzem os nossos destinos. Sonhar não custa...

11 comentários:

  1. Passei cá deixar um beijinho de parabéns. É hoje, não é?

    Tudo bom SEMPRE!

    Também gostei do texto - boa reportagem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Eu sei! Eu sei, que o Carlos me vai querer queimar viva ao ler o meu comentário, no entanto, não posso deixar de dizer, que a atitude favorável do povo argentino com a Cristina Kirchner é semelhante à veneração que tem pela Evita Perón, que nada tinha de santa.
    O que eu quero dizer, é que não vejo o futuro do povo argentino mais risonho do que o futuro do nosso povo.

    ResponderEliminar
  3. Será que está para breve uma geração K em Portugal?
    Um grande abraço de parabéns amigo Carlos

    ResponderEliminar
  4. Oh Carlos nem posso ouvir esse nome odioso do Menem, mas vamos sonhando, que sonhar não custa, também na força regenerativa de uma geração K, aqui no nosso burgo.
    Um beijinho e olha
    tchim tchim... à tua.

    Janita

    ResponderEliminar
  5. É por aqueles lados que reside a esperança. Por cá estamos a caminhar para um sistemas que aqueles uma vez mais rejeitaram. Bem estiveram igualmente as forças políticas que se uniram a Cristina.

    ResponderEliminar
  6. Carlos querido

    Concordo com a Ematejoca.Não seria tão otimista com essa vitória. Torço que esteja errada.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Minha mãe costuma citar o seguinte ditado em algumas situações: tudo o que é demais, é sobra!
    Até mesmo na política...tudo tem seu tempo...

    ResponderEliminar
  8. A grande questão é que são os argentinos que mandam lá na terra deles, enquanto que aqui os portugas recebem ordem e fazem gala que as cumprir "para além do exigido". Não vamos longe não...

    ResponderEliminar
  9. Ematejoca, Lúcia e Turmalina:
    Espero que estejam erradas mas, mesmo que as vossas previsões se confirmem,em nada invalidarão o que escrevi. Por lá há uma geração com esperança. Pela Europa, uma geração indignada.

    ResponderEliminar
  10. Enquanto os jovens não desistirem da luta, as nações podem continuar a ter esperança. Por cá os jovens cada vez mais se demitem de lutar, mesmo que pelos seus interesses. E isso é muito, muito inquietante!

    ResponderEliminar
  11. É de se tirar o chapéu à Argentina, que em 2001 estava em recessão e passados apenas 5 anos começou a ter crescimento económico de 5% ao ano e que se mantém até hoje.

    Por isso só posso desejar boa sorte à Argentina!

    ResponderEliminar