quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O Mundo às avessas



Não sei se é dos belos ares que se respiram por estas paragens, se é pelo distanciamento em relação a Lisboa, mas nestes últimos dias tenho a sensação que o mundo está virado do avesso. Estamos em meados de Setembro e por terras transmontanas e durienses as manhãs são frescas, mas as noites estranhamente amenas e, durante o dia, faz um calor de ananases.

Não tenho visto televisão. Apenas abri duas excepções, para dar uma espreitadela aos 20 minutos finais do Porto – Setúbal e hoje (ontem) para ver o Porto – Shaktar.

Tenho-me mantido informado apenas por alguns noticiários na rádio que ouço, de quando em vez, enquanto viajo . Reajo com alguma indiferença às notícias que vou ouvindo, mas um destes dias ouvi o Ludgero Marques dizer que se o povo português não se indignasse e não saísse à rua para protestar contra as medidas que o estão a asfixiar, seria ridículo e lá fora seríamos apelidados de molengões. “ Ninguém entenderia um povo assim” – asseverava.

Deixei escapar uma sonora gargalhada, com este apelo à luta do ex-chefe dos patrões. Logo suspensa, quando ouvi o sindicalista Mário Nogueira a falar com Passos Coelho não sei onde. Parecia um cordeirinho. Onde está o Lobo Mau que enfrentou as duas ministras da educação? Estes ares perturbam-me o entendimento. Imaginem que até percebi, logo de seguida, que Mário Nogueira tinha dito aos professores para esquecerem a avaliação, porque há problemas mais importantes a tratar!

Até estou de acordo, mas como me lembro das manifestações promovidas pela FENPROF por causa da avaliação e de toda a indignação de Mário Nogueira na luta contra as duas ministras, só posso ter percebido mal. Ou, então, foi a jornalista que distorceu a notícia. Por que raio haveria Mário Nogueira de mudar de opinião? E como entender que o ex-chefe dos patrões incite o povo a sair à rua e um sindicalista peça calma aos professores?

Não quero nem saber. Só pode ser alucinação. Até porque ouço, mais adiante, o líder da CGTP apelar à mobilização popular. O mundo regressa à normalidade, graças a Deus. Ou talvez não… sindicalistas e patrões estão de acordo nas críticas a uma medida do governo que visa, de forma encapotada, transferir para as seguradoras os encargos da segurança social.

Estou no Caramulo a gozar a última noite destas mini-férias. Na varanda do hotel, em mangas de camisa, tendo apenas o silêncio por companhia, observo uma leve neblina a descer sobre o vale. Amanhã (hoje), pela manhã, terei espectáculo garantido. Espero tirar boas fotos e recuperar o discernimento.

Regressado a Lisboa, as notícias voltarão a fazer parte do meu quotidiano. Perderei o direito a esta tranquilidade.

Ouço a sirene dos bombeiros. Estará a despertar-me para a realidade, ou a lembrar-me que naquelas aldeias que ainda há minutos enxergava no horizonte, não há tempo para pensar na crise? Na verdade, já vivem com ela há décadas e já estão habituados...

9 comentários:

  1. E como se está bem nesse hotel! :-))
    Boas férias!

    ResponderEliminar
  2. Carlos a tranquilidade que por aí encontrou, está a afectar-lhe os sentidos:):):) Mundo às avessas? Opinar hoje e amanhã dizer que não o fez? Mas haverá alguém que faça isso? Nãooooooooooo!:):):)

    ResponderEliminar
  3. Tentar entender sindicalistas é perca de tempo. Todos, uns e outros, só têm em mente os interesses deles e não os dos cidadãos. Estar no campo é algo tão bom, tão bom que não só nos esquecemos da crise mas até do mundo. Tenho esse prazer todos os fins de semana em que não me lembro sequer de ligar a TV.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Ai Carlos, como eu o compreendo..., então sobre o "meu" cromo de estimação que é o Nogueira já nem me quero pronunciar....

    ResponderEliminar
  5. Meu amigo um verdadeiro paraíso, sem televisão, só ouvindo o som dos passarinhos.
    Como o invejo.
    Bom regresso à selva.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Gostei desse mapa!! Está tudo de pernas para o ar... e não é que está mesmo? Eu Também estou, que estou com os pés inchados! Aproveite bem a maravilhosa estadia "com tranquilidade", rrss Abraço

    ResponderEliminar
  7. Carlos
    O meu "folha seca" levou-me ao Caramulo à uns quatro anos cheguei aí meia enjoada porque sofro de vertigens e as curvas são muitas. Mas é lindo o Caramulo assim como a Curia.
    Além de vivermos a 3 km do mar, preferimos para férias à beira mar porque no campo vivemos nós, onde acordamos todos os dias com o canto do pássaros.
    Beijo bom regresso

    ResponderEliminar
  8. CARLOS, quando eu era criança,minha avó fazia muita referência ao Caramulo. Só que este lugar ficava em Vila Nova de Gaia. Não sei se é o mesmo lugar.

    ResponderEliminar
  9. Carlos
    Estou aguardando as fotos de suas férias.
    com carinho Monica

    ResponderEliminar