quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Memórias do Chiado






Faz hoje 23 anos que ardeu o Chiado. Mesmo estando a viver longe nessa época, não consegui conter as lágrimas perante as imagens que via na televisão. Senti que estava a morrer um bocado de mim. Entretanto o Chiado reergueu-se, voltou a ganhar vida mas hoje, 23 anos passados, recebi notícia de outras paragens que levou mais um bocado de mim. Disso darei conta mais logo noutro post. Por agora, apenas vos digo que andam a matar-me aos bocados.

13 comentários:

  1. Lembro-me bem! Nessa altura tinha casa de férias na Nazaré...saí de manhã para comprar pão e foi lá que soube da tragédia contada por uma voz cantada/chorada de uma praieira!
    Cheguei a casa, acordei toda a gente e ficámos ali, estarrecidos, diante do ecrã da televisão!
    Felizmente que o Chiado renasceu das cinzas embora com alterações...

    ResponderEliminar
  2. Lembro-me como se fosse hoje. Tocou o despertador de manhã com ligação ao radio. Ouvi as notícias e fiquei meia aparvalhada sem saber o que fazer, de repente comecei a chorar, uma coisa sem explicação...

    ResponderEliminar
  3. Também eu não esqueci - trabalha, estava em Lisboa num verão quente, (apesar de ter casa junto ao mar), por imperativo de cumprimentos de prazo e não o podia deixar de fazer. Era, como é hoje, o aniversário de minha sobrinha... e a minha cidade ardia (e como dói arder o nosso berço de nascer...)

    Obrigada por o recordar
    Mel

    ResponderEliminar
  4. Passados dois anos viajei para Lisboa. No caminho que fiz a pé entre Sta Apolónia e a Estação do Rossio passei junto ao Chiado. Recordo bem do cheiro que ainda se sentia no ar e a tristeza ao perceber a dimensão do incêndio.

    ResponderEliminar
  5. Um marco emblemático que desapareceu para sempre. Entrei poucas vezes neste novo Chiado. A minha impressão é que é um centro comercial como outro qualquer apenas num bairro mais cosmopolita.
    Ao pensar no Chiado, penso em Abecassis...

    ResponderEliminar
  6. E ali ficavam os Armazés do Chiado e o Eduardo Martins.

    ResponderEliminar
  7. Rosa dos Ventos
    Estava em S. Francisco. Devido aos fusos horários,tinha acabado de chegar a casa quando soube da notícia. Não preguei olho toda a noite. Curioso é que ainda era lá dia 24...

    ResponderEliminar
  8. Ariel:
    Já se estava a levantar e eu ainda não me tinha deitado!

    ResponderEliminar
  9. Mel
    Tenho uma familiar que faz anos neste dia. Todos os anos , quando se levanta, vai em romagem ao Chiado, antes de ir trabalhar.
    Gostei muito de a rever por aqui

    ResponderEliminar
  10. Paulofski
    Quando vim a Lisboa e vi todo aquele cenário, tive um choque enorme. Pensei que o Chiado nunca iria ser recuperado.

    ResponderEliminar
  11. Catarina:
    Raras vezes entro nos Armazéns do Chiado, mas passear-me por lá, faço-o quase todas as semanas.
    Também penso muitas vezes no Abecasis. Se não tivesse aquela ideia peregrina para "embelezar" a Rua do Carmo, o incêndio não teria atingido as mesmas dimensões.

    ResponderEliminar
  12. CB
    E a Leitaria Garret e muitas outras lojas emblemáticas de Lisboa

    ResponderEliminar
  13. Estava de férias em Caminha quando se deu este incêndio! Recordo-me bem que eu e a minha mãe nos fartámos de chorar. Além do mais, nesse dia também fazia 4 anos que o meu pai tinha falecido e com mais aquela calamidade foi impossível conter o desgosto...

    ResponderEliminar