segunda-feira, 30 de maio de 2011

Chamem os bois pelos nomes, sff.

Quando alguém se dirige a um banco para pedir um empréstimo assina um contrato no qual o banco se compromete a entregar-lhe o dinheiro de que necessita. Quem pede o empréstimo compromete-se, por sua vez, a restituir ao banco a quantia emprestada, ao longo de um período acertado entre as duas partes,acrescida do pagamento de juros determinados pelo banco, os quais constituirão lucro para a instituição que concedeu o crédito.

O valor dos juros é negociável, podendo variar entre o razoável e a agiotagem pura, competindo aos consumidores negociar com a instituição financeira que lhe ofereça melhores condições.

Alguma pessoa que contraiu um empréstimo diz “ fui pedir ajuda ao banco para comprar a minha casa”? Obviamente que não.

É por isso que não percebo a insistência da comunicação social em falar da ajuda do FMI e do BCE a Portugal. O governo pediu um empréstimo e irá pagar juros elevadíssimos cobrados pelas duas instituições. Ao contrário do que acontece com os consumidores, os países não têm escolha quanto à entidade que lhes concede o empréstimo, porque não funciona a Lei da Concorrência. Daí que sejam obrigados a aceitar os juros agiotas impostos por quem pode conceder o empréstimo, sob pena de entrarem em bancarrota.

Qualquer jornalista estagiário sabe isso, pelo que não percebo a insistência da nossa comunicação social em falar de “pedido de ajuda”. Portugal pediu um empréstimo e os nossos credores comportaram-se como agiotas. Ponto final.

8 comentários:

  1. Boa malha...

    No referente á experiência de qq cidadão é sabida a excelencia da banca para ajudar uma familia a endividar-se. O meu "gestor de conta" chegou a ligar-me três vezes num ano a fazer "follow up" de cartas que o banco me remetia oferecendo crédito (já para não falar dos 328 cartões e outros empurrôes) Esse era o verdadeiro apoio...

    ResponderEliminar
  2. Por falar em ajuda... vai o que penso e vai em link com outros links lá dentro... para não estar a repetir todo o comentário.

    ResponderEliminar
  3. Está dito e muito bem dito.
    Daqui a pouco as pessoas vão ver... a ajudinha que vai ser ;)

    bjos

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    Boa!!! Nunca tive dúvidas que são uns autênticos agiotas, tais como outras Instituições que existem espalhadas por este País, conheço certas situações que me interrogo bastante, como é que é possivel.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Elementar!!!, mas esta comunicação social está toda ao serviço dos agiotas, dizem o que os patrões querem ouvir.

    ResponderEliminar
  6. Ajuda ou usura? Já começo a desconfiar.

    ResponderEliminar
  7. Isa:
    Como não consigo comentar no seu blog, agradeç~-lhe aqui o link que fez para o meu post.
    Muito Obrigado, mesmo

    ResponderEliminar