quarta-feira, 20 de abril de 2011

Obrigado, Carvalho da Silva

PCP e BE recusaram-se a falar com a "troika". Lamento que os partidos de esquerda tenham enjeitado a oportunidade de expressar aos nossos credores o sentimento de revolta dos seus eleitores e muitos outros portugueses, em relação às medidas que pretendem impor-nos.

Agradeço por isso, a Carvalho da Silva ter sido o meu porta-voz e de milhares de portugueses.

13 comentários:

  1. Carlos
    Segunda reza a ciência não há duas pessoas iguais no mundo.
    Carvalho da Silva tem mostrado que apesar de ser membro do PCP nem sempre secundariza as posições do seu Partido, o que me parece ter acontecido mais uma vez.
    Se não fosse este acto, provalmente os membros da "troika" não teriam ouvido umas quantas verdades.
    ainda bem, que há quem pense pela sua (dele) cabeça.
    Carlos acompanho-o no seu "Obrigado"

    ResponderEliminar
  2. Nem mais, Carlos.
    O PCP e o BE tiveram uma atitude perfeitamente cretina.
    Não manifestaram discordância.
    Fizeram uma birrinha.
    Populista, parva e sem qualquer sentido.
    Quando se discorda, deve manifestar-se essa discordância.
    Na cara das pessoas.
    Sejam elas quem forem.
    Como o fez Carvalho da Silva.

    ResponderEliminar
  3. A troika finge que ouve

    "democratica mente"

    ResponderEliminar
  4. Há, de facto, idiotices e criancices e birrices que me custam a entender.

    ResponderEliminar
  5. Ora aqui não podiamos estar mais de acordo. Isso do PCP e do Bloco dizerem que não queriam ir para a reunião, a mim, também diz tudo... entãoesperdiça-se assim uma oportunidade para dizer, fazer, apresentar, negociar (something!!), É tão mais fácil, lavar as mãos, e ficar comodamente na oposição a criticar tudo.... Fiquei muito favoravelmente impressionada com a atitude do Líder sindical... sim senhora! Se pensarmos bem, é triste quando num País em que os políticos e outras figuras nos habituaram a atitudes indignas e de falta de sentido de Estado, nos orgulhamos de uma atitude que deveria ser encarada com total normalidade... é também um sintoma ...

    ResponderEliminar
  6. Desta vez, meu caro e admirado Carlos Oliveira, não estou de acordo. Acho que, quer Jerónimo de Sousa, quer Francisco Louçã, fizeram muito bem não ceder nesse jogo de faz-de-conta que é a negociação com a tal troika. Não sai nenhuma negociação honesta e transparente numa reunião de 2 horas (que mais parece uma conferência de imprensa sem direito a perguntas). Será que algum dia vamos saber o que negociaram PS, PSD e CDS com o FMI? Não vamos porque não há nada a negociar. Vão apenas ouvir o plano que já está definido. Quanto à troika vir a saber o que nós, a esquerda, pensa de todo este processo, não é absolutamente necessário que seja Jerónimo ou Louçã a lhes irem dizer de viva voz. Ou acha que eles estão mal informados? Um grande abraço e que o seu blog continue com a pujança que tem desde há vários anos.

    ResponderEliminar
  7. Há duas posições de principio:
    - a da aceitação das regras do jogo imposto pelos credores procurando mitigar os efeitos
    - a da negociação como estado independente e com orgãos de soberania eleitos

    A troika posiciona-se na primeira, os partidos de esquerda na 2ª. O Governo e ou o Presidente deveriam conduzir as negociações (Carvalho da Silva o disse). Se a ajuda externa for desenhada com a negociação partilhada e avulsa com quem eles escolherem desresponsabilizarão todos os orgãos do Estado pelas soluções que vierem a ser impostas... Por outro lado acredito que o processo ponha mesmo em causa a independência nacional. Meio a sério, meio a brincar lhe digo: Se não me engano, Viriato não falou com o general Romano, D. Nuno com o Castelhano e D. João, quando daqui cavou, não falou com o Jenot (para só citar 3 acontecimentos de risco ou perda de soberania)

    A CGTP não é uma organização politica, não vai a votos nem pode ser responsabilizada por politicas nacionais...

    ResponderEliminar
  8. Lamento dizê-lo, mas a esquerda portuguesa também gosta de sacudir a água do capote. Quando as coisas estão más, em vez de se aliarem e dar voz aos seus eleitores, limitam-se a um "discordo" e assobiam para o ar, refugiando-se no "não terem culpa nenhuma" pois nunca pertenceram ao governo dos últimos anos... rsrsrs

    Palmas a Carvalho da Silva! :)

    ResponderEliminar
  9. Birrice de crianças de infantário.
    E lembrar que é essa gente, que anda a apelar ao voto dos portugueses, a querer mudar a vida dos portugueses.

    ResponderEliminar