segunda-feira, 21 de março de 2011

O reverso da medalha

Ainda não percebi bem se o Ocidente, agora liderado por um Sarkozy apanhado com a boca na botija, encetou mais uma cruzada para impor a democracia, se apenas pretende calar Khadaffi. Seja qual for o objectivo, sei que a coligação que entrou na Líbia para evitar a morte de civis, já fez várias vítimas e não me sai da cabeça aquele ditado popular " Tantas vezes vai o cântaro à fonte, que um dia lá deixa a asa". O problema é que quando a asa se partir, os cruzados estarão a bom recato e quem se lixa é o povo que não tem nada a ver com o assunto...

3 comentários:

  1. não sei... não vejo soluções para se lidar com o líder da revolução Líbia.

    ResponderEliminar
  2. É, se não impossível, pelo menos de difícil percepção, aceitar uma qualquer ingerência externa numa nação. Defendo a soberania dos povos, a capacidade da sua auto-determinação. E creio haver sempre lugar à mediação...
    Mas isto é porque tendo ao lirismo...
    Caríssimo, no "reverso da medalha" são sempre os mais pobres aqueles a quem mais a ferida dói e por mais tempo... diz-nos a história.

    Bem-haja
    Mel

    ResponderEliminar
  3. Estes leaders não têm é vergonha na cara. E sim, ele não é nenhuma flor que se cheire, mas de momento parece que é o único governante mundial que tiraniza e mata o seu povo... os restantes ditadores são todos uns santinhos! :P

    ResponderEliminar