quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A Liberdade passou por aqui...

Faz hoje 24 anos que nos deixou a voz de Abril. Mais do que a voz de uma geração, foi a voz de um povo. E isso faz toda a diferença...
Porque o momento é propício, deixo-vos com a letra ( não encontrei o video) de "Os Fantoches de Kissinger"

"Em toda parte baqueia
A muralha imperialista
Na ponta duma espingarda
Os povos da Indochina
Varrem da terra sangrenta
Os fantoches de Kissinger

Mas aqui também semeias
No pátio da tua fábrica
No largo da tua aldeia
A fome, a prostituição
São filhas da mesma besta
Que Kissinger tem na mão

Valor à Mulher Primeira
Na luta que nos espera
Só não há vida possível
Na liberdade comprada
Na liberdade vendida
A morte é mais desejada

A NATO não chega a netos
Abaixo o hidrovião
Na ponta duma espingarda
O Povo da Palestina
Mandou a Golda Meir
Uma mensagem divina
Da CIA não tenhas pena
Tem carne viva nas garras
É a pomba de Kissinger

Toda a América Latina
Se lembra das suas farras
A mesma tropa domina
A mesma tropa domina
Só um é embaixador
Mas nada nos abalança
A dormir sobre a calçada
Faz como o trabalhador
Dorme sobre a tua enxada
Faz como o atirador
Dorme sobre a espingarda"

10 comentários:

  1. Além de não o esquecermos temos que fazer passar a sua memória aos vindouros!

    ResponderEliminar
  2. Carlos
    Tenho uma vaga ideia de ouvir o Zeca cantar esta este poema que em boa hora publicou.
    De facto Zeca e os seus poemas são intemporais.

    ResponderEliminar
  3. Também o lembrarei

    (não conhecia esta canção...)

    ResponderEliminar
  4. Já o recordei no meu blog.
    Penso que cada vez mais é recordado, numa saudade que vai num crescendo.
    HOMENS que fazem a diferença!

    ResponderEliminar
  5. É muito bom constatar que, além de mim, muita gente homenageou hoje o enorme José Afonso!

    Bem haja!

    ResponderEliminar
  6. O Zeca viverá sempre no coração de todos nós! :)

    E é verdade, há poucas músicas dele no Youtube, algumas com um som péssimo. Sinal que há 24 anos ainda se estava nos primórdios da nova era digital, informática, coisa e tal. Mas é pena!

    ResponderEliminar
  7. Venho atrasada, mas mais vale tarde do que nunca. Foram vários os blogs que estiveram em sintonia a homenegea este grande homem.
    Zeca sempre.
    Bejo

    ResponderEliminar