segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Figura da semana


Pela Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) passaram alguns dos nomes mais marcantes da arquitectura portuguesa do século XX. Alexandre Alves da Costa não é, provavelmente, dos mais conhecidos e badalados, mas além de ter sido um dos fundadores da agora FAUP, foi colega de uns, professor de outros e por todos admirado.
Recentemente jubilado, deu em Janeiro de 2010 a sua última aula. Melhor: a que devia ter sido a última aula, se um decreto do ministro Mariano Gago não tivesse permitido que os professores jubilados pudessem continuar a leccionar, desde que para tal sejam convidados. Alves da Costa foi convidado, vai continuar a dar aulas no Porto e em Coimbra e a trabalhar.

Terminou a aula que marcou o seu jubileu, perante uma assistência de notáveis - onde se encontrava o padrinho Manoel de Oliveira - com uma frase que merece uma séria reflexão:
“A única maneira de remover o obstáculo da identidade é deixarmos de ser primeiro portugueses, para existir primeiro como homens. Deixar de procurar a identidade para que sejamos nós, diferentes, em devir de desassossego, com a nossa força própria”.
Entre os seus projectos mais recentes encontra-se o de reorganização do Terreiro do Paço onde, na próxima sexta-feira, será inaugurado um espaço de esplanadas e restaurantes que pretendem dar alguma animação à praça lisboeta.

4 comentários:

  1. Afinal, o Alexandre Alves da Costa não é, um dos nomes mais marcantes da arquitectura portuguesa do século XX, como também um filósofo.
    — Que pensamento profundo!
    Merece, sem dúvida, uma séria reflexão.

    Saudações à "nossa" Escola Superior de Belas Artes do Porto!!!

    ResponderEliminar
  2. Rochedo
    Gostei muito do pensamento. Vou escrever no meu caderno de anotaçoes
    com carinho MOnica

    ResponderEliminar
  3. Bem elaborado este pensamento de um HOMEM. Afinal, antes de sermos portugueses ou europeus somos homens!

    ResponderEliminar