terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Caderneta de cromos (24)

Padre Querubim Silva

O Padre Querubim (à esquerda na foto) é um dos grandes animadores da contestação das escolas privadas, contra a justa decisão do governo de acabar com as mordomias do ensino à custa do dinheiro dos contribuintes.
O padre Querubim acusa o governo de ser estalinista porque se recusa a pagar a escolas confessionais, mais do que paga em escolas públicas. Este pastor da Igreja devia saber que Portugal é um estado laico ( eu sei que às vezes não parece, mas isso é outra história) onde as várias confissões religiosas têm (supostamente, eu sei...) todas os mesmos direitos. Mas Querubim da Silva também devia saber outras coisas. Por exemplo:
1- Os contratos de associação prevêem um montante a atribuir pelo Estado por cada aluno e turma;
2- Nos últimos cinco anos diminuiu o número de alunos e de turmas nas escolas com contratos de associação mas, curiosamente, aumentou o financiamento do Estado a essas escolas;
3- Não é justo que alguns directores pedagógicos destas escolas recebam sete mil euros mensais;
4- Nem que algumas direcções recebam meio milhão de euros por ano;
5- Mandar os alunos construir urnas e desfilar com elas pelas ruas de Lisboa não é atitude própria de um servo de Deus;
6- Ameaçar com a marcação de faltas os alunos que não participassem na manifestação é um acto indigno;
7- Encerrar escolas, privando 17 mil alunos do direito a terem aulas não só é ilegítimo, como pode condicionar o seu aproveitamento no final do ano. O Cacerolazo no Chile foi muito eficaz, mas os tempos agora são outros e a Igreja tem de perceber que já não tem a influência de outros tempos;
8- Não é conhecida nenhuma escola que tenha dado prejuízo.Pelo contrário, muitas ( senão a maioria) dão lucro;
9- A Igreja Católica não deve encarar o ensino como forma de lucro, mas sim como um serviço à comunidade;
10- Os contratos de associação iniciaram-se há 30 anos, mas nunca foram vitalícios. Desde então, o Estado fez grande investimento em escolas públicas, alteraram-se as condições. Quem decidiu investir no empreendedorismo à custa do contibuinte, pode agora seguir a sua vida, sem necessidade de prejudicar os alunos, nem tentar extorquir dinheiro aos contribuintes.
Finalmente o padre Querubim deve compreender que as escolas que não queiram sujeitar-se às regras impostas pela Ministério da Educação a partir de Setembro, têm bom remédio: encerrem. Sem dramas.
Ah, já agora, senhor padre, faça o favor de dizer aos senhores que não se esqueçam de deixar os carros de potente cilindrada na garagem, faz favor! É que, se ainda não perceberam,há uma grande diferença entre emprendedorismo e chulice.

14 comentários:

  1. Um documento histórico, não só pelo que está a acontecer mas também pelo que levou à presente situação. É que ao se criarem maus hábitos é muito dificil sair-se deles...

    Bom post

    ResponderEliminar
  2. Estas contradições é que me divertem...pena que tenha que pagar tanto por elas!!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Por falar em carros de grande cilindrada, como compreender a posição vergonhosamente cobarde e tíbia do ACPortugal em relação ao vero roubo, concertado, das gasolineiras
    ao contribuinte...

    Carlos I.

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    Não sou muito de trazer para aqui nomes. Mas junto aqui um tal Dr. Calvete, grande impulsionador deste tipo de manifestações. É proprietário de cerca de 20 escolas. Tinha 2 Louriçal e Monte Redondo e depois de passar uns tempos no Parlamento em substituição de um deputado que foi para secretário de estado, passou a comprar escolas em todo o País.
    E esse não deve ter a benção de Deus.

    ResponderEliminar
  5. Excelente!!!
    está tudo dito e bem dito nestes 10 mandamentos orientadores do ensino privado.

    ResponderEliminar
  6. Nem porque ainda dão espaço de antena a esses tontos, ou cromos. Haja paciência!

    ResponderEliminar
  7. Não tenho seguido esta "novela", a não ser por aqui, de início tinha a vaga ideia que o ministério apenas tinha feito esses contratos em regiões onde não existiam escolas públicas. E aí não estava a perceber como é que podiam cortar o financiamento. Mas pelos vistos não será exactamente assim, além de que esses senhores parecem "boys" da Igreja, com lautos ordenados...

    ResponderEliminar
  8. BOA!!!
    Se eu estivesse ao pé de si, dava-lhe um valente abraço por este post!
    BASTA de chulice!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Confirma-se, não é tipo que foi meu colega no Colégio de Jesuítas que frequentei.

    ResponderEliminar
  10. Carlos,

    Essa história das manifestações também me confundiram um bocadinho... aliás, isso de manifestações é coisa de esquerdalhas, como é que homens da igreja andaram metidos nisso!!!

    ResponderEliminar
  11. Bonzinho esse Querubim, héin?
    "9- A Igreja Católica não deve encarar o ensino como forma de lucro, mas sim como um serviço à comunidade;"
    Aliás, todo e qualquer serviço à comunidade não deveria ser encarado como forma de lucro pelo Estado e muito menos pela Igreja.

    ResponderEliminar