terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Virtudes públicas, negócios privados, ou um Cacerolazo à portuguesa


Alguém duvida que se a escola privada não fosse um negócio rentável, Cavaco teria incentivado os pais a manifestarem-se nas ruas contra a proposta do governo, aprovada na Assembleia da República e por ele promulgada?
Os magnatas do negócio ouviram a mensagem e não se fizeram rogados. Desceram à rua, reclamando que o Estado obrigue todos os portugueses a pagar os lucros que lhes advêm do negócio da educação. Com o bom gosto que os caracteriza, trouxeram caixões para a rua e desfilaram entre o Saldanha e a 5 de Outubro, exibindo a sua morbidez sórdida. Atingiram o auge da cretinice, ao depositar, em algumas das urnas, fotografias de alunos que frequentam as suas escolas (Pena que nenhum deles exiba a esfinge do instigador Cavaco, mas isso faz parte de um outro guião).
Os negociantes do ensino privado têm também um elevado sentido de responsabilidade. Talvez por isso, usaram as crianças como arma de arremesso. Fecharam os estabelecimentos de ensino, privando-as do direito às aulas e aconselhando-as a formar cordões humanos às portas das escolas.
À primeira vista, isto faz-me lembrar o Cacerolazo das mulheres chilenas da alta burguesia que, munidas de tachos e panelas, protestavam contra o governo de Allende. Encenação, aliás, prosseguida sem êxito por Vera Lagoa durante o PREC. Mas não é. Ao ver crianças instrumentalizadas, tenho apenas a sensação de que o ensino privado em Portugal é um negócio tão rentável que os seus promotores não hesitam em sacrificar os interesses das crianças em função da sua ganância. Deviam ser julgados como exploradores do trabalho infantil.

10 comentários:

  1. De um mau gosto extremo esta manifestação!
    Independentemente do seu direito à indignação usarem fotografias de crianças e jovens a forrar um caixão não é atitude de educadores responsáveis!

    ResponderEliminar
  2. Penso que a solução ajustada
    Era o Estado abrir uma escola pública
    Onde existe uma privada
    E se querem negócio
    encontrem-no no ócio

    ResponderEliminar
  3. Não ouvi nada sobre isto, mas que é do pior mau gosto e estupidez, lá isso...

    ResponderEliminar
  4. A M**** É TANTA e de tantos lados, que às vezes parace que estamos numa républica das bananas... e de bananas! Mas por que razão têm os contribuintes de financiar a escola privada a alguns? Isto cabe na cabeça de alguém? Depois é incrivel ver os argumentos que utilizam para defenderem a sua dama, que é o mesmo que dizer os seus interesses.

    ResponderEliminar
  5. É de uma arrogância vergonhosa!!!
    E o tipo de gente que me tira do sério...

    ResponderEliminar
  6. Uma vergonha!
    O nosso país está uma vergonha. Em tempos não havia liberdade, hoje há liberdade a mais.

    Uma Abraço, Carlos!

    ResponderEliminar