quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

O ilusionista de Trapalhândia- Epílogo

Até às legislativas, fofoquices e intrigas animaram os bastidores do palácio do Belo-Além. Pelo meio, uma viagem a Praga que fez recordar a Viagem do Elefante, Hannibal cumpriu a promessa de levar Maria à Capadócia e, finalmente, os preparativos para a campanha de reeleição.
Quando Hannibal reuniu os seus assessores para lhes comunicar que se iria recandidatar logo foi confrontado com a questão:
- Quais vão ser os temas fortes da campanha, senhor Presidente?
- A agricultura, as pescas e os comboios
Os assessores entreolharam-se em silêncio e assim permaneceram, até que um ousou perguntar:
- Senhor Presidente, o senhor destruiu a agricultura, aniquilou metade da nossa frota pesqueira, eliminou 800 quilómetros de linha férrea. Como é que vai agora promover esses assuntos a temas fortes da campanha?
- Você é muito ingénuo! Acredita que os tugas ainda se lembram disso? Preparem-me visitas a agricultores em desespero, marquem encontros com pescadores e arranjem-me de imediato bilhetes para fazer algumas viagens de comboio, porque eu quero dizer aos portugueses que é preciso investir na agricultura, reanimar a indústria pesqueira que este governo maltratou e que adoro viajar de comboio.
E assim se cumpriram os desejos de Hannibal. Durante a pré-campanha eleitoral, aquele que raramente tinha dúvidas e nunca se enganava, passou a ter muitas dúvidas na aprovação dos diplomas enviados pelo governo. Teceu diversas críticas à actuação de Sócrates e agiu como detonador da crise.
Apesar de serem poucos os tugas que assumem gostar de Cavaco, dois milhões ainda foram votar nele confiantes. O casal que mudou o rumo da sua vida, depois de uma viagem à Figueira da Foz, recebeu o reconhecimento de um quarto dos eleitores tugas agradecidos pelos serviços prestados. Masoquismos…
Talvez por isso, esta blogonovela não tenha um final feliz. Ao contrário das boas novelas da SIC e da TVI, desta vez os tugas não foram felizes para sempre. E os reis de Trapalhândia também não tiveram muitos meninos, porque já não têm idade para isso e o Espírito Santo já fez o seu papel quando engravidou a Virgem Maria.

(FIM)

10 comentários:

  1. Adoro estas suas blogonovelas, tenho pena que esta tenha chegado ao fim ;-)

    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Carlos
    Fui acompanhando esta sua "novela" cujo fim estava "anunciado".
    Paciência!!! Sempre a porra da paciência. (desculpe lá a sensibilidade nortenha a este palavrão)
    Excelente.

    ResponderEliminar
  3. Bem que desconfiava que esta blogonovela não teve um final feliz! Talvez daqui a 5 anos, quando ele for cuidar dos netos, quem sabe???

    Mas valeu a pena, para recordar o percurso (hipócrita) deste ilusionista!

    ResponderEliminar
  4. E eu que gosto tanto dos finais felizes :( Pronto. Mas temos que viver com o drama. É o que é.

    ResponderEliminar
  5. O Espírito Santo engravidou a Virgem Maria?
    Sempre ouvi dizer, que foi um soldado romano!!!

    Também achei imensa piada às suas blogonovelas, só lhe faltou um pouco de "Sex and Crime"!!!

    Gosto de tudo que o Carlos escreve, mesmo quando não temos a mesma opinião política.
    Os seus desafios, nos quais sempre participei foram um mimo, e já estou em pulgas para ler as suas crónicas sobre as MULHERES.

    E agora uma palavrinha à Teté, que é a nossa amiga comum, que faz anos no dia 8 de März.

    Daqui a 5 anos, o Cavaco não vai cuidar dos netos, nessa altura, já ele está numa cadeira de rodas, e ainda mais senil do que no momento actual!!!

    ResponderEliminar
  6. Brilhante! Grande imaginação.
    Só não dei pelos elefantes...

    ResponderEliminar
  7. FIM?
    Fim o caraças. Agora é que isto vai começar. O Hannibal só tem estado a aquecer.
    Vai ter de outra blogonovela escrever...

    ResponderEliminar
  8. A estória vais repetir-se

    preparece-se meu amigo

    e que não lhe doam as mãos

    ResponderEliminar
  9. É uma pena que tenha chegado ao fim e, sobretudo, que tenha tido um final tão triste.
    Talvez daqui a 5 anos, possa rescrevê-la, com um final bem diferente.

    ResponderEliminar
  10. Moral da história, os tugas são mesmo masoquistas, é extraordinário....

    ResponderEliminar