segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Figura da semana

Sheikh Hasina
Reeleita primeira- ministra do Bangladesh em 2008, Sheikh Hasina foi galardoada pelo governo indiano com o prémio Indira Gandhi, como reconhecimento pelo seu contributo para a paz e democracia, durante o seu primeiro mandato, entre 1996 e 2001.
Afastada do poder nas eleições de 2001, viria a ser alvo de um atentado em 2004, que mataria muitos dos seus apoiantes. Escapou ilesa, como acontecera em 1975. Nesse ano a sua família foi dizimada por uma facção do exército, tendo escapado do massacre, por estar com a irmã em visita à Alemanha.
Em 2007 foi acusada de envolvimento na morte de um influente empresário do Bangladesh. Viria a ser libertada e, em 2008, voltou a ser nomeada primeira-ministra, depois da vitória esmagadora da Liga Awami.
Talvez movida pela vontade de demonstrar que a atribuição destes prémios tem um mérito relativo, Shakira Hasina decidiu comprar uma guerra dentro do seu próprio país. O visado é Muhammad Yunus, o criador do microcrédito e do banco Grameen, que manifestou a intenção de criar um partido político. Hasina não terá gostado e, desde então, começou a mover uma perseguição a Muhammad Yunus, a quem acusa de ter desviado fundos destinados ao Grameen Bank para auxílio humanitário.
A inexistência de irregularidades veio a ser confirmada pela agência Norad, que disponibilizara essas verbas, e pelas próprias autoridades norueguesas, mas Hasina ordenou que o caso fosse investigado pelas autoridades do Bangladesh.
Defensora do microcrédito como sustentáculo para a sua política de erradicação da pobreza no Bangladesh, Hasina é hoje uma crítica feroz do Grameen Bank e, segundo alguns analistas, pretende transformá-lo num banco estatal. O objectivo será eliminar a influência de Muhammad Yunus que, entretanto, desistiu da formação de um partido, mas se vê obrigado a enfrentar a justiça do seu país.
Aviso: as minhas escolhas para figura da semana, nada têm a ver com os acontecimentos que ocorreram na semana anterior. São apenas pessoas, cujas histórias decidi trazer aqui, em breves linhas. Uma por semana...

4 comentários:

  1. Todos os voos são improváveis

    se não forem sonhados

    ResponderEliminar
  2. Essa animosidade com Muhammad Yunus não me parece nada saudável...ele há egos que se dão mal com a concorrência directa...

    ResponderEliminar
  3. Ser-se isento começou a ser muito difícil... Quase toda a gente tem um "odiozinho" de estimação.

    ResponderEliminar
  4. Gostei de ler sobre a figura desta semana, um antegosto às suas crónicas em Março.

    Saudação da amiga de longe.

    ResponderEliminar