quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Farinha Amparo e Spaguetti Bolognese


Em tempos, quando um automobilista fazia asneiras e violava as regras de trânsito, havia sempre quem perguntasse, em alusão a uma farinha que dava brindes :
- Olha lá, saiu-te a carta num pacote de Farinha Amparo?
Os tempos mudaram. A farinha Amparo deixou de dar brindes e o pregão passou a ser outro:
- Saiu-te a carta num bolo rei?
Veio depois a União Europeia, acabou com os brindes do bolo-rei e, hoje, os automobilistas fartam-se de fazer asneiras mas ninguém invoca a farinha Amparo ou o bolo que, noutros tempos, apenas se comia no Natal.
Hoje, a grande moda, é perguntar a um licenciado de reputação duvidosa:
- Tiraste a licenciatura depois de Bolonha, não foi?
Bolonha veio descredibilizar muitas licenciaturas e desvalorizar os mestrados. Pouco mais se poderia esperar de uma terra que inventou aquela pasta tão apreciada por miúdos. No entanto, também em breve este pregão cairá em desuso. Um dia destes, o licenciado interpelado sobre a origem da sua licenciatura, responderá descontraidamente:
- Comprei-a na Internet!

10 comentários:

  1. Somos já dos pobres mais licenciados
    na chamada europa dos ricos

    ResponderEliminar
  2. Os tempos mudam, os "insultos" actualizam-se...:):):)

    ResponderEliminar
  3. Isso parece já muito à frente, mas será por certo uma realidade. (Mudam-se os tempos...)

    ResponderEliminar
  4. Estou desactualizada, ainda falo na farinha Amparo... :)))

    ResponderEliminar
  5. Olhe que essa da Farinha Amparo ficou-me tão agarrada que ainda hoje a utilizo, a maioria não percebe e eu sempre desabafo.

    ResponderEliminar
  6. Carlos,
    Interpelado por um amigo de infância este ano aí em Portugal, que me dizia que, com Bolonha, também poderia conseguir a equivalência ao garu de Mestre, respondi-lhe que ele não estava a perceber que, pelo menos para mim, conseguir um mestrado (mais tarde um doutoramente, quem sabe?) era, acima de tudo, vencer um desafio.
    O canudo, e o grau académico, eram o prémio desse esforço.
    Mantenho a opinião.
    Deu-me muito prazer fazer o meu mestrado, conhecer as pessoas que conheci, estudar, desafiar os meus limites (fiz o mestrado em língua inglesa).
    Chegar a uma secretaria, e conseguir um carimbo, não deve dar grande gozo.
    E não acrescenta nada aos conhecimentos que a pessoa tem.
    Disso tenho a certeza,

    ResponderEliminar
  7. Nunca tinha ouvido essa do bolo-rei. Normalmente, quando alguém faz asneira, pergunto se tirou a carta por correspondência.
    Quanto a Bolonha... Não me conformo, principalmente, quando falo com recém-licenciados que ainda nem sabem escrever. Estes defendem com toda a convicção que a sua licenciatura está ao mesmo nível do que a minha.
    Pois não está. Resumindo, um grau desapareceu: o doutoramento. O antigo bacharelato passou a chamar-se licenciatura, a licencitura passou a chamar-se mestrado e o mestrado passou a chamar-se doutoramento. É completamente ridículo.
    Agora, encontro-me numa situação em que tenho necessidade de avançar. Para isso, gostaria de tirar um mestrado. Acontece que todos os mestrados são a repetição do meu último ano da licenciatura, sem tirar, nem pôr. Aliás, em alguns casos o plano curricular é visivelmente mais fraco, o que entristece. Estaremos a formar pessoas ou a passar papéis carimbados em troca de 2 mil lecas?
    Quanto à situação de comprar cursos na internet, já vai tarde. Já existe o ensino à distância, que requer um número de presenças mínimo, o resto é leccionado na internet.

    ResponderEliminar
  8. Saudades da Farinha Amparo, que não conheci...

    ResponderEliminar