quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

E esta, hem?

Afiançou-me uma professora que, na escola onde trabalha, os alunos que não fossem à manifestação fúnebre tinham falta. Claro que já andam por aí uns patuscos do 31 e filiais espalhadas pela blogosfera,a tentar justificar a execrável atitude de exploração das crianças, defendendo-se com o facto de o governo também ter contratado crianças (pagando) como figurantes para apresentação de iniciativas relacionadas com a educação. Claro que ambas as situações são criticáveis mas quem faz estas comparações ou está de má fé, ou ficou com o rabo entalado pelas críticas da ministra.
Já muitas vezes defendi que era necessário acabar com a subsidiodependência dos empresários portugueses. Mas, neste caso, nem de empresários se pode falar. Trata-se de gente que gere escolas com o dinheiro do contribuinte. O facto de algumas dessas escolas terem conseguido, com esse dinheiro, construir piscinas, campos de futebol e picadeiros, demonstra, entre outras coisas, que o dinheiro pago pelo Estado ultrapassa as necessidades. Só que isso não é novidade nenhuma.
A novidade é que os privados passam a vida a dizer que fazem melhor do que o Estado com menos dinheiro e, neste caso, demonstram exactamente o contrário, exigindo que o Estado lhes dê mais dinheiro do que gasta com a escola pública.

11 comentários:

  1. Esta história encerra uma moral conhecida: "se fores apanhado a estripar o cancro que criaste podes ficar mal na fotografia e provocar gritaria". De facto não lembra ao diabo financiar lucros com dinheiros públicos. Isto só é notícia porque o governo recua no modelo e, claro, aquela gente não gosta...

    ResponderEliminar
  2. Poderiam reclamar como entendessem, mas absolutamente incrível e repugnante, de "bradar aos céus", o mau gosto de pôrem os miúdos a fazer os caixões e a meterem-nos na manifestação ! :(((
    .

    ResponderEliminar
  3. Deixa-me que te digo que sou completamente contra:
    1 – a que levem, ou pior ainda obriguem, os miúdos para manifestações que apenas a eles dizem respeito!
    2 – a este tipo de subsidio-dependência, para os filhos de alguns andarem em boas escolas particulares, andamos todos a pagar, mesmo aqueles que têm os filhos no ensino oficial ou no particular pagando a totalidade da propina… mesmo aqueles que não têm filhos e que têm de acarretar com os subsídios do estado!
    O tempo é de vacas magras, ou ainda não tinham reparado?!
    Quem tem estabelecimentos de ensino particular, seja ele cooperativo ou não, tem mais é de o rentabilizar e não ficar à espera que paguemos todos para os sustentar!
    Se não precisam de cortar nas despesas, não cortem, agora não venham é exigir que o estado lhes continue a pagar o mesmo… a época é de contenção!

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    parece-me que as coisas vão aquecer. Em muitos aspectos as coisas estão a ficar insustentáveis, vai servir tudo para fazer barulho. De facto usar as crianças é execrável.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Sensacional análise, Carlos.

    O último parágrafo é de grande acerto. Vejo que não muda o ser humano, o que muda é o solo onde ele pisa. São todos iguais.
    Vejo-os descendo cada vez mais os degraus da miséria moral.

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  6. Pois, empresária assim até eu! Aliás, também dava para administradora daquelas empresas públicas que pagam regiamente e dão grandes prejuízos - afinal qualquer um consegue administrar dando prejuízo, né?

    ResponderEliminar
  7. Claro, que não me esquecia da Sophia. Li a notícia no Mundo Pessoa.
    O Carlos vai-me chamar bairrista, mas não acha que o espólio da Sophia de Mello Breyner Andresen devia ser doado à Biblioteca Nacional, no Porto?
    Ao menos que a exposição chegue um dia à cidade invicta.
    Isto é uma das minhas respostas ao seu comentário.

    Quanto ao seu post "E esta, hem?"
    Não faço a mínima ideia do que se está a passar, mesmo sendo, a maior parte da família que me resta no Porto e a minha melhor amiga, professores.

    O que é que significa "pôrem os miúdos a fazer os caixões"???

    No tempo em que me interessava pela política, fui a imensas manifestações, mas nunca levei os meus filhos comigo, coisa que os meus amigos alemães sempre fizeram.

    Saudação da amiga, longe de tudo e de todos!!!

    ResponderEliminar
  8. Assino por baixo! É certo o que diz neste seu artigo de opinião. Pois este país está desta forma por culpa dos governantes.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Aquilo era uma manif?Pareceu-me uma performace...e de mau gosto...

    ResponderEliminar
  10. Este país já não tem conserto, porque quase toda a gente se habituou a roubar e ou a viver à custa de outros. etc. e tal. Diz quem viu, eu, que nem a SSocial, nem o M.da Educação tem gente para ir ver se os acordos celebrados são cumpridos. Aqui há uns aninhos, friso este caso, pq duma MISERICÒRDIA aqui do distrito de Lx se tratava, durante anos recebeu a comparticipação por um acordo q tinha celebrado com a S:Social para vinte e tal crianças, recebeu milhares de contos, e não tinha lá uma, nestas valências. Os Serviços limitam-se a acreditar na frequência que as Instituições comunicam mensalalmente num papelinho.
    Eu estou gorda do que tenho visto e engolido, e nunca comi à custa dos outros.

    ResponderEliminar
  11. Eu achei engraçado a uma senhora que dizia que estava ali porque queria ter direito a escolher a melhor escola para os filhos...eu também gostava de poder escolher, o que não posso é pagar.. logo, os meus filhos andam na pública.. e é com os meus impostos que a senhora quer escolher a escola dos filhos dela? .. tenham dó.

    Jorge Soares

    ResponderEliminar