segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Nós por cá todos bem


Passou o Natal e aproxima-se o fim do ano, semana propícia a balanços.
Na Grécia o caos instalou-se nas ruas de Atenas. Multiplicaram-se as greves gerais, os confrontos com a polícia, houve agressões a um ex-ministro conservador, agora investido em deputado europeu.
Os ciclotímicos italianos elegeram Berlusconni num dia, e no dia seguinte saíram à rua para escaqueirar tudo, chateados com Berlusconni.
Em França, Sarkozy enfrentou a ira popular depois de aprovar uma Lei que obriga os franceses a trabalharem até aos 67 anos.
Em Inglaterra os estudantes protestaram violentamente contra o aumento das propinas, que Cameron prometera não aumentar. No meio da refrega, o Príncipe Carlos escapou por um triz a um ajuste de contas com os estudantes enfurecidos.
Nós por cá todos bem, com a graça de Deus Nosso Senhor. Como chihuahuas amestrados, arreganhamos os dentes e ladramos, ao ritmo das notícias dos jornais, mas comportamo-nos com a civilidade dos brandos costumes. Reduziram-nos as reformas, as comparticipações na saúde, cortaram-nos os salários, o subsídio de desemprego e transformaram os trabalhadores em participantes num jogo de roleta russa, onde só o patrão sabe onde está a bala? Paciência. Cantamos o Fado "Foi por Vontade de Deus", agradecemos a protecção de Nossa Senhora de Fátima , vibramos com o Futebolês e elegemos, sem complexos, candidatos autárquicos condenados por corrupção.
Bendita sejas, Pátria amada.

13 comentários:

  1. Nem sequer estrebuchamos,Carlos, isso dá muito trabalho...

    ResponderEliminar
  2. E vamos continuar a votar?
    Ou vamos fazer como no futebol mostrando um cartão vermelho em dia de eleições?

    ResponderEliminar
  3. E resoluções para o ano novo… nada!

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    O seu post remete-me para o "ensaio sobre a lucidez"

    ResponderEliminar
  5. somos e dificilmente deixaremos de ser um povo acomodado.

    ResponderEliminar
  6. Ó Carlos, é este o optimismo? Estou quase a cortar os pulsos de tanta felicidade, ou talvez seja dos 700 euros que vou passar a dar ao Estado todos os meses, sem ter absolutamente nada em troca. Devo ser a única trabalhadora independente do país, porque mais ninguém se queixa.

    ResponderEliminar
  7. A minha última postagem tem um pouco a ver com este estado de coisas.

    http://ocantinhodomestre.blogspot.com/2010/12/mensagem-de-ano-novo-todos-os.html

    ResponderEliminar
  8. E quando iremos nós, povo abusado, acordar? Quando teremos consciência da nossa força?

    ResponderEliminar
  9. Bendito seja o cidadão-eleitor Tuga!
    Quando chegar ao céu vai ter tudo o que lhe falta aqui.

    ResponderEliminar
  10. Como diria a minha avó, este pobinho é um paz d'alma.

    ResponderEliminar
  11. Como dizia à bocado um candidato presidencial, de quem ouvi apenas meia dúzia de frases: os portugueses são culpados quando fogem ao fisco, quando recebem baixas a que não têm direito e por votarem nos políticos em que votam. Concordo! ;)

    ResponderEliminar