segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Caderneta de Cromos (23)


Carlos Encarnação resignou ao cargo de Presidente da Câmara de Coimbra. Li, em qualquer lado, que a saída estava prevista ainda antes da sua reeleição, em 2009.Na cerimónia de despedida disse que se ia embora, porque estava farto deste Governo. Não é o único, mas não tem o direito de renunciar a um cargo para que foi eleito, só porque está farto. Ao fazê-lo traiu a confiança de quem o elegeu e colocou a sua má diposição à frente dos interesses de Coimbra.
Há tempos o deputado Branquinho ( também do PSD) renunciou ao cargo para ir trabalhar para a Ongoing.
São exemplos destes que minam a confiança dos eleitores e os afastam das urnas. Ou a lei muda e, sempre que um candidato renunciar ao cargo, terá de haver novas eleições ( o exemplo deveria ser seguido também nas eleições para legislativas, só sendo permitida a substituição por períodos curtos, ou em caso de os deputados eleitos passarem a exercer funções governativas) , ou a abstenção continuará a aumentar. Se os candidatos renunciam de ânimo leve aos seus cargos, só porque estão fartos do governo, é natural que os eleitores respondam com a abstenção, para demonstrar que estão fartos de políticos que não respeitam os seus compromissos com os cidadãos.

12 comentários:

  1. Realmente. Não é à toa que os portugueses estão fartos da nossa política e dos nossos políticos.

    ResponderEliminar
  2. Ao que isto chegou! Enfim...!
    Caro Carlos, desejo-lhe um Bom Natal e que o Novo Ano lhe traga tudo de bom.
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Claro!
    E depois vêm com conversas da treta, salvo o imenso respeito que tenho pelo saudoso António Feio!

    ResponderEliminar
  4. Cromices desta terra! E o tal "amor" afinal não passou de um "flirt" inconsequente...

    Não é o primeiro nem o único! Mesmo assim, suponho que não devia ser permitido a gente deste gabarito voltar a concorrer a eleições, demonstrado o seu total desprezo pelo voto popular que os elegeu!

    Os cifrões falam mais alto, as "desculpas" são esfarrapadas, como de costume... :/

    ResponderEliminar
  5. Ao ler um dos meus nomes de solteira, assim de relanço, pensei que, o Carlos me tinha posto na Caderneta de Cromos.
    Que susto!!!
    Pensando bem, até tinha piada criar uma Caderneta de Cromos dos amigos/amigas virtuais.

    Cuidado, que esse Carlos Encarnação pode ser da minha família. O meu pai estudou em Coimbra, sabe se lá, o que ele dá deixou.

    O meu suposto parente tomou a mesma decisão que nosso antigo Presisente. Ele voltou-nos as costas de um momento para o outro.
    Houve aqui grandes polémicas.
    Na minha opinião, ninguém sabe como procederia, se estive na pele deles, pois para praticarem um acto menos digno, devem ter tido razões fortíssimas.

    Saudação de Düsseldorf. A neve continuar a cair...

    ResponderEliminar
  6. Já tinha pensado nisso!
    Afinal, qd o vento sopra a favor, "estamos nessa", mas qd os ventos estão contra... os ratos são os primeiros a abandonar os barcos!

    ResponderEliminar
  7. Cheira a esturro. Deve ter havido qualquer fita mal queimada...

    ResponderEliminar
  8. Sabe? Penso que estamos a resvalar por um abismo sem fundo: este é só mais um exemplo!

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  9. Não me admira nada, seguiu as pisadas do seu ex-lider o presidente da comissão europeia. Ou estará desde já a preparar a sua entrada num futuro governo laranja! Hummm...

    Coimbra tem mais encanto...

    ResponderEliminar
  10. Essa gente perdeu por completo a vergonha, já nem sequer disfaçam.

    ResponderEliminar
  11. não sei porquê mas esta desistencia do Encarnação tem qualquer coisa a ver com o julgamento do caso em que esteve envolvido, mas safou-se à justa, da venda dos prédios de Coimbra e Lisboa que faziam parte do Fundo dos CTT que a então Ministra das Finanças Ferreira Leite se apropriou para dar um deficit simulado á UE. Estão constituidos vários arguidos entre eles o aristocrata Miguel Horta que era o Presidente dos CTT. mas o julgamento está em stand by.De qualquer maneira é uma maneira de obter uma nova reforma antes de sair a nova lei

    ResponderEliminar