terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A Bela e o Monstro


Deixou a terra Natal para vir trabalhar para Lisboa. Foi viver sozinha, mas mantinha contactos diários com a família. Um dia, num desses atalhos da vida, encontrou um príncipe encantado. Apaixonou-se. Contou vagamente aos pais a sua paixão.
Um dia não telefonou. No dia seguinte, também não. Ao terceiro dia os pais estranharam a falta de notícias e entraram em contacto com a PJ que, apesar dos escassos dados fornecidos pela família, conseguiu encontrá-la. Estava no apartamento do seu príncipe.
Tudo acabaria bem, se a estória terminasse aqui, mas…
A mulher terá percebido que afinal o alvo da sua paixão não era propriamente um príncipe e acabou com a relação. Despeitado, o príncipe tê-la-á conseguido atrair a sua casa. Sequestrou-a. Durante três dias, espancou-a e violou-a. Quando a PJ chegou ao local, em vez de um casal apaixonado, encontrou um cenário de violência, bem visível no corpo da mulher. O agressor era conhecido por antecedentes criminais e foi detido mas a mulher, em pânico, gritava:
“ Eu vivo sozinha em Lisboa. Ele vai matar-me, ele vai matar-me”.
A PJ tentou acalmá-la e prometeu que tudo iria acabar em bem. Aparentemente, assim foi. Presente ao juiz de instrução criminal, este decretou a prisão preventiva do agressor.Resta saber se será suficiente para a mulher ficar descansada. Na melhor das hipóteses , o mais provável é estar cá fora daqui a um ano. E depois?
(Post escrito a partir de uma notícia do DN)
Contra a violência doméstica, apoio esta proposta.

10 comentários:

  1. Este homem era realmente extraordinário. Até fiquei comovida. Vou fazer link.

    ResponderEliminar
  2. eMUITO BOM ! Adorei o seu blog ! Visite o meu blog sobre poemas, e retribua o comentário ! http://leonardotk.blogspot.com/ SIGA MEU BLOG que eu sigo o seu de volta !caso queira seguir. Se puder ser poder fazer parceria :) Obrigado ! volto sempre aqui xD!

    ResponderEliminar
  3. Carlos
    A sociedade de consumo em que vivemos, até nos faz "esquecer" por estes dias, a miséria humana a que o "espírito" Natalício não dá tréguas.
    Só queria deixar um voto de boas festas.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Na história A Bela e o Monstro, o monstro é feio, mas muito querido!

    Li há pouco um romance policial da inglesa Ruth Rendell "Jogos Perversos", cujo tema básico é a violência doméstica, e ainda que o marido da vítima me seja antipático, a vítima também me é. Porque é que ela ficou todos aqueles anos a suportar os maus tratos e vexames do marido?. Confesso, que senti desprezo por ela.
    Não conto o final, embora seja bem previsível.

    Ainda volto antes do Natal!

    ResponderEliminar
  5. Se a violência doméstica se resolvesse com manifestações... Estou convencida que é mais um problema de mentalidades, que o machismo ainda reina em muitas cabecinhas desta terra, e não só em homens!

    Mas quer dizer, Saramago tem razão: pelo menos chamava a atenção para a causa!

    ResponderEliminar
  6. Grande era Saramago e assim são também todos os homens que pensam como ele.
    Infelizmente a história que conta daí acontece diariamente por aqui.
    Foram criadas delegacias especializadas nas grandes cidades e até uma Lei específica para combater a violência contra a mulher.
    Só que enquanto a sociedade continuar acobertando e naturalizando a violência dos homens, principalmente contra as "suas" mulheres, muitas serão as vítimas, na sua grande maioria, silenciosas.

    ResponderEliminar
  7. Fico sempre com a ideia que a vítima nunca fica protegida...
    Lamentável e difícil de solucionar.

    ResponderEliminar
  8. CARLOS, em muitos dos casos, eles
    ficam em liberdade e terminam dando
    cabo da vida delas,infelizmente.

    ResponderEliminar