quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sweet November *


Entra Novembro, os dias encurtam, as pessoas começam a ficar (ainda) mais deprimidas e começa a cheirar a Natal.
Já se vêem centros comerciais iluminados a preceito,nos próximos dias começaremos a ser inundados de publicidade, as montras das lojas serão decoradas com bolinhas, neve artificial e pais Natal barrigudos, as ruas vão engalanar-se de luzes natalícias e o trânsito aumentará. Quando começar Dezembro, as televisões e os jornais começarão a fazer reportagens, onde o denominador comum será a crise. Os comerciantes queixar-se-ão do negócio, os consumidores lamentarão a falta de dinheiro para compras de Natal mas, no início do ano, ficaremos todos a saber que, afinal, este ano o negócio ultrapassou todas as expectativas, superando o volume de vendas de 2009 ( que por sua vez já tinha sido superior ao de 2008) que as caixas multibanco ficaram sem dinheiro no fim de semana de Natal e de Ano Novo, que foi batido mais um record de envio de SMS durante a noite de S. Silvestre e que os voos para Cancún, Riviera Maya e outros locais “exóticos” partiram cheios de portugueses.
A crise fará férias durante uns dias, para regressar em força em Janeiro.Nessa altura voltarão todos a culpar Sócrates da crise. Presumo é que depois disto, Pedro Passos Coelho e a sua corte continuarão sem uma ideia para o país. Para compensar, os amigos do professor Cavaco no BPN irão a Fátima agradecer a Nossa Senhora a reeleição do seu patrono e mais uns quantos adiamentos do julgamento. Até à prescrição, espera-se…
* Qualquer semelhança entre este post e a trama do filme ( meloso até à náusea )protagonizado por Keanu Reaves e Charlize Theron é pura coincidência. Ou talvez não...

9 comentários:

  1. Carlos,
    Vou agraciar o Crónicas do Rochedo no A Nossa Candeia.
    Abraço :)

    ResponderEliminar
  2. Carlos, com ou sem crise, a sua descrição aplica-se a todas as épocas natalícias, desde que eu me lembre. OK... talvez um pouco mais agora. Mas pode publicar o mesmo texto no próximo ano que stará actual, de certeza... infelizmente!
    Beijinhos
    Adenda: a verificação de palavras (para publicar o comentário) que me calhou, está consonante - MIZERIES :0

    ResponderEliminar
  3. Ah, como este mundo é feito de certezas... tudo previsivel...
    "Sweet November"
    "Poor January"

    (também o agraciei, prémio em duplicado mérito dobrado!)

    ResponderEliminar
  4. Bom post, no dia em que os juros da dívida bateram novo recorde... o sweet está cada vez mais bitter ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  5. De política nada sei, mas que o filme Sweet September é meloso até à náusea, lá isso é VERDADE!

    ResponderEliminar
  6. Carlos, é impressionante.Mais uma
    vez, o atual momento daí é o mesmo
    que estamos vivendo aqui.No comér-
    cio já se vendem enfeites de Natal
    e se ouvem musicas natalinas.E, no
    mais, o comportamento do povo, é
    igual.
    Abraços

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto dessa trama melosa até a náusea :o)
    Já a primeira parte do seu texto é um videotape daqui.Eu gosto de Novembros, doces ou nem tanto, mas tenho náuseas com a proximidade do tal "Natal".
    Eu tenho verdadeiro pavor de toda aquela balbúrdia e consumismo desenfreado, como se o mundo fosse acabar na manhã seguinte ao Natal.
    Aí vem a vontade de fugir para algum lugar, mas estão todos lotados.O melhor mesmo é ficar em casa!

    ResponderEliminar
  8. Carlos... Não só em Portugal, mas no Brasil também é desse mesmo jeito.
    Igualzinho. Todos a reclamar da crise e a gastar mais, ano a ano...

    Aguardo o que acontecerá à meia noite e um...

    Beijão

    Carla

    ResponderEliminar
  9. Uma crise de férias é uma coisa bestial, Carlos.
    Tragam-na aqui a Macau que parece que aqui anda a aparecer dinheiro debaixo das pedras!
    Naturalmente, como diz o brasileiro, "prós mesmos, prós mesmos!!"
    Mas é uma coisa inexplicável.
    Crescimentos nas recitas do sector do Jogo superiores a 50%?
    Cheira a esturro que tresanda.

    ResponderEliminar