quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Povinho foleiro...


Fiquei a saber através de uma daquelas sondagens encomendadas não com o intuito de informar o público, mas de tentar condicionar as opções de cada um, levando-o a seguir a opinião da maioria, que mais de 80 por cento dos portugueses são favoráveis à greve geral de 24 de Novembro, mas apenas 12 por cento tencionam fazer greve nesse dia.
Não ponho em dúvida o resultado da sondagem mas, a confirmarem-se estes resultados ( ou números aproximados) só me resta concluir que este povinho é mesmo foleiro. Em vez de manifestar o seu desagrado, fica à espera que os outros ajam por eles. Não é que me espante, apenas me envergonho, pelo facto de este povinho ser o mesmo que corre para o posto de saúde, ou solicita a um médico amigo que lhe passe um atestado, quando surge a oportunidade de fazer um fim de semana prolongado ou apenas lhe apetece ficar em casa a descansar.

11 comentários:

  1. Apos ler o seu texto so me vem a cabeca um proverbio popular : Cao que ladra nao morde. Assim e o portugues :(

    ResponderEliminar
  2. Bravo!! Carlos, não posso deixar de admirá-lo e sempre. Esse povinho me dá nos nervos. Vejo-os aos montes onde trabalho. Esse negócio do atestado, então! Dúzias despecam às semanas de feriado prolongado. E depois querem se fazer de arautos da moral. Levam canetas, borrachas, réguas, grampos, papéis, lápis, cds, dvds e muito mais, do local de trabalho para a casa. E fingem-se. Hipócritas.

    Beijo, mais uma vez postas algo extremamente lúcido e que me toca direto na alma

    Beijo

    Carla

    ResponderEliminar
  3. Não ligo a mínima essa pseudo sondagem, para mim é apenas mais uma das armas de intoxicação que vão decorrer até ao dia da greve no sentido de a condicionar, golpes baixos que já estamos habituados. Isso não invalida que sempre houve e haverá os fura greves que na maior parte são os oportunistas de sempre, à espera de se aproveirarem do trabalho e luta dos outros.

    ResponderEliminar
  4. Provavelmente, muitos não irão trabalhar, com o pretexto da greve, mas ficarão em casa a descansar.

    ResponderEliminar
  5. Muitos tem medo de represálias políticas alem de lutarem com grandes dificuldades económicas.
    Cada um terá as razões para fazer ou não dias de grave.
    Parece-me que a greve tem mesmo de mostrar aos políticos que eles não prestam e que as leis são más, injustas e não resolvem nada.
    Enquanto não acabarem com essa camada de chulos que ganham milhões e não produzem nada, enquanto não criarem postos de trabalho e riqueza para Portugal isto não melhora em nada apenas piora de dia para dia.
    É tempo de acabarem com esta sociedade em portugal e no mundo de pessoas que se julgam iluminados e só sabem fazer leis para eles se manterem no poder e protegerem os seus camaradas..........

    ResponderEliminar
  6. Fiz uma única greve na vida e jurei para nunca mais.
    Sou contra as greves, que só fazem perder dinheiro e não ajudam à economia do país, mas sou a favor de manifestações ...

    ResponderEliminar
  7. Meu amigo:
    Estou de acordo também com o comentário da Gi.
    Nós precisamos é de uma grande Manifestação, onde todos juntos, velhos e novos,empregados e desempregados, em uníssono fizéssemos ouvir a nossa voz e dizer BASTA!
    Sondagens é uma treta a que eu não ligo nenhuma.
    Excelente texto como sempre.

    Beijinhos

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Uma greve geral que, por sinal, calha no meu dia de folga. :)
    Como é que eu me posso manifestar desta maneira???? lolololol.

    ResponderEliminar
  9. Sim, Carlos, é nestas posições que encontramos a diferença entre "quererem, poderem e concretizarem o que querem". O povo português, na sua grande maioria, fala muito, cheio de entusiasmo, mas não passa daí. É lamentável!

    ResponderEliminar
  10. Vamos ver! Vamos ver depois as sondagens dos sindicatos e do governo. Como costume vão do 8 ao 80!

    ResponderEliminar
  11. Não será antes por se estar tão decepcionado que nem se acredita que a greve tenha algum impacto?

    ResponderEliminar