terça-feira, 9 de novembro de 2010

Perguntar não ofende

Pedro Passos Coelho quer responsabilizar criminalmente os responsáveis pelos maus resultados económicos do país. Já nem discuto se a medida deve ter efeitos retroactivos. Apenas pergunto se a responsabilização criminal abrange os cúmplices...

12 comentários:

  1. Oh, isso é que era um processo para durar séculos... :)

    ResponderEliminar
  2. Tão ladrão o que vai à quinta como o que fica ao portão...e estes foram-se revesando.
    Abraço :))

    ResponderEliminar
  3. Penso que nossa sociedade esta afundando, e nós brasileiros, cidadãos "respeitáveis", percebemos isso e mesmo assim fingimos não estar vendo.

    Abraços.

    http://cogumex.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Penso assim e já à muito tempo que defendo esta linha de conduta.
    Parece-me que está já implementada noutros países da Europa.
    Se a penalização for avante, haverá mais equilíbrio nas inovações assim como nas promessas demagógicas.
    Em todos os governos não deveria haver só um partido mas apenas e só os melhores de todos os partidos.
    Quando fazem leis que destroem as finanças ou a nossa industria devem não só responder pelos crimes como ainda serem-lhes confiscados todos os bens.

    ResponderEliminar
  5. Carlos
    Não sei onde é que se ia meter tanta gente. O numero de guardas prisionais necessário ia rebentar com todas as hipoteses de controlar o défice. A nivel de comentadores dos varios orgão de "informação" era um descalabro. Isto no caso de haver efeitos retroactivos.

    ResponderEliminar
  6. Esses acho que são considerados inimputáveis Carlos.
    Até se percebe....

    ResponderEliminar
  7. A sério, ele disse isso!? Tá bem melga. Só como São Tomé e ver para crer.

    ResponderEliminar
  8. Sobretudo os cumplices, que são a mão escondida que detem as manetes desta grande choldra...

    ResponderEliminar
  9. Nem mais, tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta...

    ResponderEliminar
  10. Não acredito isso venha, alguma vez, a acontecer, no contexto político actual.

    ResponderEliminar