sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O último adeus

Leitora amiga fez-me chegar esta notícia. Tal como ela, fiquei comovido com esta manifestação espontânea dos lisboetas a uma figura que se tornou um símbolo das noites da cidade.Nem a senhora Olinda - que há anos me delicia com as castanhas assadas com esmero no Saldanha- faltou ao último adeus que, durante duas horas, tornou Lisboa uma cidade mais humana. Há pequenos gestos que calam fundo e nos fazem acreditar que um mundo melhor é possível.
( Aconselho-vos a ver o video no fim da notícia).

12 comentários:

  1. Comovente mesmo. Ainda há esperança na humanidade. :)

    ResponderEliminar
  2. Na humanidade não sei, mas que ainda á pessoas boas, isso há.

    ResponderEliminar
  3. Não sabia nada do senhor João e fui agradavelmente surpreendido com a notícia televisiva desta expontânea despedida sentida e sincera ao senhor do Adeus.

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    Não conhecia esta "figura" até porque só vou a Lisboa quando tem mesmo que ser e da noite Lisboeta fujo a sete pés. Mas que é uma linda estória, é . Apesar de envolver uma morte. Só prova que o ser humano é capaz de tambem fazer coisas boas. Entra aquela dos fracos Reis...

    ResponderEliminar
  5. sorriso
    sorriso e cumprimento
    sorriso que se foi
    e eu lamento
    um sorriso
    surreal
    um sorriso dado
    afinal
    pela solidão
    de um cidadão

    ResponderEliminar
  6. Claro que ainda há esperança!
    Nunca o vi, não vivo em Lisboa mas conhecia a sua história...
    A quem teria ele dirigido o seu último adeus?

    ResponderEliminar
  7. Conheço a notícia.
    Confesso que nunca tinha visto a pessoa.
    Que, julgo, nunca terá pensado ser alvo desta atenção.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. A pressa provocou mais um engano... e tive de cancelar o meu comentário, que aqui vai rectificado:
    Este blog tem-me dado um manancial de informação que desconhecia. Hoje conheci o Senhor do Adeus, cujo aceno de mão me colocou um nó na garganta, pelas mensagens que estarão escondidas nele, para além da sua comunicação com os outros.
    Obrigada, Carlos. Ficou-me, deste texto, interrogações, emoção e a tristeza duma solidão que uma televisão, com todas as suas telenovelas e tantas outras coisas que nos são oferecidas no final dum dia de trabalho, não lhe apagavam, nem nos apagam.

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia o senhor, mas quando tomei conhecimento da sua morte, na blogosfera, e desta despedida ao senhor do adeus, questionei-me sobre quantas daquelas pessoas terão feito algo para aliviar a solidão do senhor. Quantas pessoas terão passado por ele e reagido como se ele tivesse lepra? Quantas destas pessoas começarão a cumprimentar "os desconhecidos" com quem se cruzam todos os dias, na cidade?

    ResponderEliminar
  12. Um momento de ternura numa cidade de solidões.Deu-nos esperança .

    ResponderEliminar