quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O Notícias de Verdelhos

Na aldeia de Verdelhos, concelho da Covilhã, a população saiu à rua para protestar. Contra o desemprego? Não! Contra o OE 2011? Frio! Contra a redução de salários? Gelado! A razão da revolta da população de Verdelhos deveu-se, tão somente, ao facto de a Segurança Social ter institucionalizado duas crianças,de 4 e 7 anos, com o acordo e consentimento da mãe. Desconheço a razão de fundo do protesto popular, pois a notícia do DN não é esclarecedora.
Sei, no entanto, que os protestos obrigaram a GNR a intervir, deslocando para o local 16 militares. E sei também que, no dia seguinte, a professora e educadora de infância não foram à escola, porque na véspera só tinham conseguido sair da aldeia com a ajuda da GNR. Gostaria que alguém me explicasse ( a começar pelo DN) o que leva uma população a descarregar a sua ira sobre duas técnicas da Comissão de Protecção de Menores e Jovens em Risco, que (aparentemente) se limitaram a agir em defesa das crianças, com a concordância da mãe.
Das duas uma. Ou a população de Verdelhos é muito estúpida e está a meter-se num assunto para onde não é chamada, ou o DN fez uma notícia de um terço de página sobre um acontecimento que não soube explicar.
Seja qual for a resposta, há nesta notícia alguém que faria melhor se tivesse ficado calado. Resta saber se a população ou o jornalista...

17 comentários:

  1. Conhecendo os portugueses, como conheço, diria que a população é mto estúpida.

    ResponderEliminar
  2. Estupidez colectiva, aliás há jornais que só vivem à custa de informação mal escrita e mal conduzida.
    Mas há regiões do país que vivem completamente noutro século, será o caso?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Está uma prenda à espera no Devaneios.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Pelo que li, e por outros exemplos que conheço, a população emprenhou pelos ouvidos e há ainda uma cultura de que as crianças são propriedade dos pais(principalmente da mãe)....e não é só nas classes menos preparadas academicamente que esta crença persiste.

    Bom dia.

    ResponderEliminar
  5. Até a televisão falou nisso mas também não foi esclarecedor... uma tristeza

    ResponderEliminar
  6. Pois, é que assim não se percebe quem está certo nessa história. E pelo conheço do coração na boca das nossas gentes, antes de pensarem nas razões já pegaram nos machados de guerra.

    ResponderEliminar
  7. Carlos
    Se não estou enganado, Verdelho é o nome de um vinho fabricado a partir de uma uva "esquisita" e proíbida. Presumo que daí o nome da terra. Ou o pessoal de lá bebe muito dessa coisa ou os Tais jornalistas alambazaram-se.

    ResponderEliminar
  8. Relativamente ao assunto anunciado. Os individuos que estão a criticar a população de Verdelhos (minha aldeia), antes de criticarem deveriam conhecer, tanto a história como a população. Pois ainda se pode considerar uma freguesia em que os habitantes são ums pelos outros. Saindo estes em defesa da mãe e das menores e não existiam duvidas de maus tratos. A probresa não é indice de maus tratos.
    Ass. Cátia Pais

    ResponderEliminar
  9. antes de nos chamar estúpidos e outras coisas mais informai-vos melhor do caso e lavar bem a boca para falar da minha terra.

    ResponderEliminar
  10. A mãe sofre de problemas mentais mas é fortemente apoiada pelos familiares directos e pelo resto da aldeia. As meninas são felizes, bem tratadas, cuidadas e alimentadas.
    A mãe foi coagida pelas técnicas da segurança social (que acreditem são capazes de barbaridades) a assinar o papel que dava autorização a que lhe retirassem as crianças.
    Neste momento a mãe está internada por causa dos problemas graves que foram despoletados por esta situação.
    A população de Verdelhos fez o que quase ninguém neste país faz.
    Uniram-se por amor às suas meninas!

    ResponderEliminar
  11. Cátia:
    Tomo em boa nota as suas palavras. No entanto, lembro-lhe que notícia do DN nada esclarece sobre as causas concretas da revolta da população.

    ResponderEliminar
  12. Wildrose
    Agradeço-lhe reconhecidamente a informação, a que darei o devido relevo num próximo post.
    A blogosfera consegue esclarecer aquilo que os jornais deviam fazer, mas não fazem

    ResponderEliminar
  13. Tenho familiares em Verdelhos, mas isso nada importa para o caso.
    Casos destes acontecem todos os dias e nós nem damos por eles, garanto-vos.
    Conhecendo, como conheço, as pessoas desta bela aldeia, não poderia esperar outra coisa. Têm por hábito defender-se, funcionam como uma verdadeira comunidade, algo que, infelizmente, não acontece nas grandes cidades.
    Não sei os contornos da história, não sei quem tem razão, o que sei basei-se apenas no pouco que li e ouvi.
    Custa-me que as pessoas chamem estúpidas a outras, sem terem o conhecimento real do problema.
    Somos todos humanos e todos erramos, mas parece-me que há "mentes brilhantes" que pensam saber tudo, mas nada resolvem, por isso é mais simples chamar os outros de estúpidos.

    Sandra Silva

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  15. sou dessa aldeia em que vocês chamam as pessoas de estúpidas. conheço as crianças e a família sempre foram bem tratadas e com higiene e são felizes.não digam o que não sabem acerca deste assunto,somos unidos em tudo...hoje foram elas que precisaram amanha podem ser essas pessoas que nos chamam de população estúpida.

    ResponderEliminar
  16. Conhecendo verdelhos como conheço sao sempre os mesmos a arranjar os conflitos. na vez de andarem a cossar o cú nos balcoes que trabalhem mase para nao inventarem mais do que o que é;...


    ASS: ANONIMO :)

    ResponderEliminar