quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O exemplo grego

A Grécia vive uma crise de proporções muito superiores à portuguesa. Os gregos manifestaram-se violentamente nas ruas contra a política do governo socialista que segue, obedientemente, as directrizes de Bruxelas e dos mercados financeiros. No domingo os gregos foram chamados às urnas e o que fizeram? Derrubaram o governo socialista? Não... renovaram a sua legitimidade, conferindo-lhe a maioria. Uma mensagem que deve ser assimilada pelos coelhos, para não serem surpreendidos ao sair da toca.

10 comentários:

  1. Não sou coelho
    Nem habito em tocas esquisitas
    Porém estou banzado, surpreendido
    Por se dar o ouro ao bandido
    (serão os gregos masoquistas?)

    ResponderEliminar
  2. Carlos,
    cha q os coelhos vaõ ser apanhados ao sair da toca?
    Não! As raposas vão apanhá-los todos antes que eles consigam sequer colocar o focinho do lado de fora!!

    ResponderEliminar
  3. Mas, estou como o Rogério, "Serão os gregosd masoquistas?"

    ResponderEliminar
  4. Quanto mais me bates (roubas) mais eu gosto de ti !

    Se o 2ºmandato já foi o descalabro, um 3º seria a catástrofe completa !
    Legitimados pelo nosso voto, até nos comiam vivos !!!
    .

    ResponderEliminar
  5. tenho pena que em Portugal o povo não mostre a sua indignação e continue a votar nos bloco central de interesses.

    ResponderEliminar
  6. Ah, por acaso tenho muitas dúvidas que o mesmo aconteça por cá. Porque o actual governo se descredibilizou totalmente nos últimos meses, não por mérito de qualquer coelho...

    ResponderEliminar
  7. Mas Carlos, se já nos estamos a ver gregos com toda esta tragédia governamental, místico como é este nosso pobinho não vão faltar por aí patas de coelho nos bolsos à espera que um amuleto a sorte(!) lhes valha. Crentes!!!

    ResponderEliminar
  8. E ainda há quem pense que só em Portugal é que há mazoquistas ...
    Mas devo acrescentar, com toda a lealdade, que não sigo partidos, sigo aquilo que eles não fazem, quando sobem ao poleiro: governar bem.

    ResponderEliminar