quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Gatos de contrafacção

Não sabia que estes gatos escreviam num jornal desportivo, até ao dia em que um leitor do CR teve a amabilidade de me enviar uma série de crónicas de RAP. Fiquei estupefacto com o que li. Era pago para falar de futebol com humor mas, além de nunca ter escrito sobre futebol, utilizava o espaço para destilar ódio e atacar dois colunistas afectos a um clube que odeia. Fazia as insinuações mais torpes e bandalhas que alguma vez li na comunicação social portuguesa mas, de futebol, nem uma linha.
Fiquei a saber, há um mês, que RAJ tinha outra alma gémea que afinava pelo mesmo estilo. Quem tiver lido algumas das crónicas de RAP e JDQ sabe que o que ali há é falta de carácter. Vítor Serpa terá levado tempo demais a perceber isso e talvez já esteja arrependido de um dia os ter convidado para escrever n”A Bola”. Mimados, ficaram muito ofendidos por Vítor Serpa não ter dado guarida a mais um insulto, amuaram e despediram-se. Não tenho dúvida de que a desistência se deve ao facto de o fanatismo clubista lhes ter tirado discernimento e não tolerarem que MST e Rui Moeira escrevessem apenas sobre futebol , reduzindo-os a um par de idiotas.
Agora armam-se em vitimas e dizem que foram censurados. Pobres diabos, que nem honram o nome dos gatos, animais com personalidade, altivez e, acima de tudo, muito carácter. Coisa que RAP e JDQ demonstraram desconhecer.

10 comentários:

  1. É uma pena. Talvez por isso se diga que o futebol é como se fosse uma religião. Pudera, divide mais que une. E, já agora, se me permite, Carlos, na minha modesta opinião nem um é tão bom nem os outros são tão maus tal como o seu texto indicia.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Nunca li nenhuma crónica do RAP na Bola, embora saiba que ele escreve (ou escrevia) para lá. Mesmo as da Visão só li algumas! Não me posso pronunciar sobre se é faccioso ou não, mas até acredito que seja!

    Também nunca li nenhuma crónica do MST em jornais desportivos. Mas esse leio com mais frequência no Expresso ou oiço na TV! E ele está longe de ser um anjinho em relação a facciosismo! Tanto no que respeita a futebol, como em relação a outros assuntos. Com a diferença que escreve e fala a sério (embora por vezes num registo irónico), não pretende ser humorista!

    Entenda-se que muitas vezes até concordo com ele! Mas daí até ser um cronista isento... ;)

    ResponderEliminar
  3. Também eu peço desculpa, mas se os gatos 'arranham' o futebol, o MST destila e arrota facciosismo por todos os poros e não é só na 'bola' (no sentido amplo da palavra).

    ResponderEliminar
  4. Peço desculpa, mas não escrevi em parte nenhuma que MST era isento... Sei bem que não é, porque o conheço há mais de 40 anos, e ele próprio diz que a falar de futebol é fanático. ( Apenas escrevi que ele, nas crónicas da "Bola" escreve sobre futebol, ao contrário de RAP que apenas insulta de uma forma muito pouco educada e faz acusações que nunca prova.

    ResponderEliminar
  5. Estou como o outro, venha o diabo e escolha...

    ResponderEliminar
  6. Nem de propósito, tinha recebido há menos de uma hora a crónica do Zé Diogo Quintela.
    Uma idiotice pegada de todos os lados.
    O MST continua a ser um tipo impossível quando se discutem três temas - bola, cigarros e caça.
    Os outros são óptimos humoristas.
    Parvos enquanto colunistas.

    ResponderEliminar
  7. "Pobre Sofia, que teve de carregar com tal coisa na barriga!"

    Li esta frase num blogue amigo, e achei piada.

    Uns contra os gatos, outros contra o filho da Sofia.

    Eu cá não tenho opinião, pois nunca li a Bola, só sei que também sou uma PORTISTA ferranha!!!

    ResponderEliminar
  8. Carlos, estamos a entrar na área do fanatismo e da paixão clubistica, portanto aqui não há inocentes. Eu que subscrevo a maioria da análise política do MST, há dois temas em que me recuso a lê-lo: futebol, ou melhor fêcêpê, e lei do tabaco.....Onde ele vê branco e vejo sempre preto, não há vota a dar.

    ResponderEliminar
  9. Não se pode pedir a adeptos de um clube de futebol que escrevem artigos de opinião para os jornais, comentam na têvê ou na rádio, que têm de ser isentos ou deixar de defender a sua cor clubística. O que se espera de alguém que à partida atrai leitores e audiência às suas crónicas e por conseguinte ao jornal, é que respeite outros comentaristas, inclusive colaboradores do mesmo jornal. Não me admira pois que depois do que já li e ouvi deles sobre este assunto, que um ou dois gatos escaldados (até) da água fria tem medo.

    ResponderEliminar
  10. Um dia destes teremos estes meninos a exibirem Tshirts na AR. Mais uns mártires da asfixia democrática.

    ResponderEliminar